Página 13 dos resultados de 2874 itens digitais encontrados em 0.003 segundos

‣ Percursos alternativos : transições empreendedoras

Almeida, Joana Gomes de
Fonte: FEUC Publicador: FEUC
Tipo: Dissertação de Mestrado
Português
Relevância na Pesquisa
27.014607%
Perante a atual dificuldade dos sistemas políticos e financeiros dos países europeus, em especial os do Sul da Europa, em fazer face às maiores taxas de desemprego desde que há registo, a via do empreendedorismo tem assumido crescente importância no quadro das políticas de incentivo ao emprego. Face à ausência de respostas no mercado assalariado, o empreendedorismo tem sido apresentado como uma das soluções mais populares na reconquista do direito ao trabalho: realidade complexa que merece uma discussão conceptual e um renovado questionamento das atuais práticas de intervenção social. Apesar de ser evidente a existência de uma relação entre desemprego e empreendedorismo, esta é fonte de grande ambiguidade entre os especialistas. Ao longo do trabalho é discutido, e assumido, o carácter heurístico de um projeto tão pessoal quanto social, como a criação do próprio emprego, tomando, como objeto de análise, o caso de dez pessoas que vivenciaram a transição de desemprego involuntário para a criação do próprio emprego. Foi objetivo deste estudo analisar os processos que caracterizam, ao nível pessoal e contextual, a experiência de transição psicossocial de desemprego involuntário para a criação do próprio emprego...

‣ Liberdade, macroeconomia e felicidade: uma análise empírica de um painel de países; Freedom, macroeconomics and wappiness: an empirical analisys of a panel of countries

Corbi, Raphael Bottura
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 06/11/2007 Português
Relevância na Pesquisa
27.014607%
O presente trabalho encontra evidências do papel das principais variáveis macroeconômicas e da liberdade sobre a felicidade dos indivíduos. Usando micro-dados de surveys de bem-estar subjetivo para mais de cem mil pessoas de 74 países, estimamos um modelo de Probit Ordenado. Baseados numa especificação microeconométrica de bem-estar padrão na literatura, controlando por efeitos regionais, tempo e características individuais, o PIB per capita apresenta efeitos positivos e decrescentes sobre o bem-estar reportado, sendo que ganhos de bem-estar proveniente do crescimento econômico parece desaparecer com o tempo, sugerindo uma forte adaptação das pessoas. Os custos das recessões parecem ser maiores do que a simples queda do PIB e o aumento do desemprego. Estimamos que um aumento na taxa de desemprego traz custos psíquicos equivalentes a US$450 para o cidadão médio. Estas evidências estabelecem a noção de que o desemprego tem efeitos negativos sobre o bem-estar mesmo daqueles que continuam empregados. Para os que realmente perdem o emprego, o custo das recessões é de cerca de US$11.400. A inflação parece ter um custo de US$88, na média, o que resulta numa taxa marginal de substituição entre desemprego e inflação de 5...

‣ O trabalho e a sua ausência: narrativas de jovens do Programa Bolsa Trabalho no município de São Paulo.; Work and lack of work: narratives of young people enrolled in the Bolsa Trabalho Program in São Paulo City.

Corrochano, Maria Carla
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 16/05/2008 Português
Relevância na Pesquisa
27.014607%
Esta tese tem por objetivo compreender as maneiras como jovens homens e mulheres envolvidos em um programa público no município de São Paulo (Programa Bolsa Trabalho) vivem e significam a experiência do trabalho e da ausência de trabalho, na qual se inclui a categoria do desemprego. Secundariamente, também se buscou investigar o lugar e os sentidos que o programa teve nos percursos escolares e profissionais desses jovens. No Brasil, é principalmente a partir do início dos anos 2000 que as temáticas do emprego e, sobretudo, do desemprego e da juventude aproximam-se e ganham a cena pública mobilizando a construção de respostas por parte do Estado. Nesse contexto, o programa investigado desenvolveu, na gestão municipal do período 2001-2004, uma estratégia específica de enfrentamento dos crescentes índices de desemprego juvenil: a retirada ou o retardamento do ingresso de jovens no mercado de trabalho, por meio da transferência de renda e do incentivo de seu retorno ou permanência na escola, aliado à oferta de atividades de caráter educativo. A pesquisa insere-se no campo dos estudos da juventude, em suas inter-relações com o mundo do trabalho, da família e da escola, considerando as mutações destas mesmas instituições...

‣ A crise do emprego na virada do século : um fenômeno passageiro ou uma ameaça às próximas gerações?

Sena, Antonio Roberto Santana
Fonte: Fundação Getúlio Vargas Publicador: Fundação Getúlio Vargas
Tipo: Dissertação
Português
Relevância na Pesquisa
27.014607%
Explora as causas do desemprego em massa no Brasil e no mundo. Faz um breve histórico do "emprego", desde a fase pré-industrial até os dias atuais. Aborda os principais avanços da tecnologia e seu impacto na geração e destruição de empregos. Aponta os efeitos da globalização e dos processos de reestruturação corporativa no mercado de trabalho. Questiona o modelo econômico e o paradigma de produtividade. Apresenta alternativa para combater o problema do desemprego estrutural. Aponta tendências para o futuro do emprego e introduz o conceito de economia social

‣ Evolução do desemprego no Brasil de 1995 a 2010 : análise dos governos FHC e Lula

Christo, Dirce Cristina de
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso Formato: application/pdf
Português
Relevância na Pesquisa
27.014607%
O trabalho investiga a questão do desemprego no Brasil entre 1995 e 2010, período que compreende os governos de Fernando Henrique Cardoso (FHC) e de Luiz Inácio Lula da Silva. No Governo FHC, as taxas de desemprego foram ampliadas; no Governo Lula, apresentaram trajetória descendente. O objetivo deste trabalho é entender as causas da diferença na evolução desse índice nos dois governos. Para responder à questão, é feita uma abordagem inicial sobre a Pesquisa Mensal de Emprego, a qual fornece dados sobre o trabalho no Brasil, seguida de uma breve análise da evolução histórica do desemprego no País. Posteriormente, é feito um estudo sobre o Governo FHC, abordando a maneira como se deu a condução da política econômica no período e seus impactos sobre o nível de emprego. Por fim, o Governo Lula é analisado, e é feita a identificação de quais foram as diferenças em relação ao governo anterior, nos campos econômico e social, que se traduziram na redução do desemprego observada no período.; The paper investigates the issue of unemployment in Brazil between 1995 and 2010, a period that includes the administrations of Fernando Henrique Cardoso (FHC) and Luiz Inácio Lula da Silva. In the FHC administration unemployment rates were extended...

‣ Tackling youth unemployment in the European Union : in quest of Keynesian imprints since 2000 = Políticas de combate ao desemprego dos jovens da União Europeia: em busca de traços Keynesianos; Políticas de combate ao desemprego dos jovens da União Europeia : em busca de traços Keynesianos

Andreas Richard Ebisch
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 23/05/2014 Português
Relevância na Pesquisa
27.014607%
A dissertação rastreou traços keynesianos nas políticas europeias de emprego 2000-2014. Foi dada atenção à inclusão dos jovens pouco qualificados. De especial interesse é a distinção entre as influências econômicas Pós-keynesiana e Novo keynesianas. O primeiro capítulo destacou a relevância do problema do desemprego dos jovens. O segundo capítulo traçou a teoria keynesiana e seu desenvolvimento. O terceiro capítulo distinguiu três períodos de 2000 a 2014. As políticas relevantes para o emprego dos jovens mudaram durante os períodos do pré-crise e da crise financeira e, posteriormente, com a crise da zona do euro. O capítulo predominantemente utilizou publicações da Comissão Europeia para espelhar a mudança na formulação de políticas da União Europeia. No quarto capítulo foi discutida a influência Pós-keynesiana e da Nova Economia keynesiana. A conclusão aponta que, apesar de 27 milhões de candidatos a emprego, os jovens são cada vez mais treinados para atender as demandas do mercado de trabalho, isso não muda o número limitado de 2 milhões de vagas de emprego. Conclui-se que as recentes políticas de desemprego na União Europeia carregam mais traços do Novo keynesianismo do que do Pós- keynesianismo...

‣ Tenho um diploma universitário, mas não tenho emprego

Felisberto, Regina de Fátima Teixeira
Fonte: Florianópolis, SC Publicador: Florianópolis, SC
Tipo: Dissertação de Mestrado
Português
Relevância na Pesquisa
27.014607%
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas. Programa de Pós-Graduação em Psicologia; O objetivo desta pesquisa foi o de investigar como as pessoas compreendem e explicam a não possibilidade de desenvolverem seu projeto profissional a partir de sua formação universitária. Estudamos este fenômeno utilizando o método história oral ou história de vida. Entre as questões abordadas relacionamos o desemprego com a formação universitária e o projeto profissional. Os informantes consideram fundamental a formação universitária para concretizarem seus projetos profissionais e os sentimentos vividos com a experiência do desemprego são de decepção consigo mesmo, inutilidade, inferioridade, vítimas do preconceito, depressão. Duas explicações foram dadas pelos informantes acerca do desemprego: a) o mercado local está com uma grande quantidade de pessoas qualificadas com formação universitária, e b) as pessoas não se dedicaram durante a formação buscando mais experiência e conhecimento. Concluímos que a experiência do desemprego proporciona uma desestruturação psicológica e social às pessoas, e o emprego traz o reconhecimento social e a segurança para si e para os seus.

‣ Estou desempregado, não desesperado

Cardoso, Gizelle Regina
Fonte: Florianópolis, SC Publicador: Florianópolis, SC
Tipo: Dissertação de Mestrado
Português
Relevância na Pesquisa
27.08176%
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas. Programa de Pós-Graduação em Psicologia.; Este trabalho investiga a vivência do desemprego para trabalhadores desempregados da cidade de Florianópolis freqüentadores do SINE (Sistema Nacional de Emprego). Foi realizada uma aproximação com esta instituição, com o objetivo de observar e compor o grupo de participantes da pesquisa. Neste momento, foram contatados 38 trabalhadores, sendo oito deles entrevistados. A coleta de informações foi organizada a partir de cinco campos de entrevista: 1) história pessoal e história profissional; 2) a rotina, a busca pelo emprego e as dificuldades; 3) mudança na vida dos trabalhadores: implicações do desemprego; 4) superando as dificuldades; e 5) síntese. No terceiro campo: "mudança na vida dos trabalhadores: implicações do desemprego" utilizou-se como referência para as possíveis conseqüências do desemprego o modelo de Caldas (2000), que propõe diferentes aspectos que podem ser atingidos pelo desemprego: emocional, psicológico, físico, comportamental, familiar, econômico, profissional ou social, sendo que os dois primeiros são reunidos no mesmo campo, devido à sua sutil delimitação.

‣ Estimação em pequenos domínios no âmbito do inquérito ao emprego

Pereira, Soraia Alexandra Gonçalves
Fonte: Universidade de Lisboa Publicador: Universidade de Lisboa
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2012 Português
Relevância na Pesquisa
27.014607%
Tese de mestrado em Estatística, apresentada à Universidade de Lisboa, através da Faculdade de Ciências, 2012; A quantificação do desemprego assume uma enorme importância social e política nas sociedades contemporâneas. Em Portugal, o Instituto Nacional de Estatística (INE), enquanto entidade responsável pela produção e divulgação das estatísticas nacionais, produz estimativas para a taxa de desemprego para todo o país, a partir de um método de estimação direto. Estas estimativas são divulgadas por níveis geográficos designados por NUTS I e NUTS II. Os níveis territoriais usados para fins estatísticos tomam, de acordo com a nomenclatura europeia, o nome de NUTS, ao qual se junta a numeração I, II ou III segundo uma ordem de desagregação crescente. Atualmente há uma necessidade de se conhecer valores do desemprego a níveis cada vez mais desagregados. Contudo, como é de esperar, com base numa amostra, neste caso na amostra do Inquérito ao Emprego, quanto maior o nível de desagregação pretendido, maior é a variância das estimativas calculadas pelo método direto. O INE entende que as estimativas produzidas para as NUTS III, usando este método, não têm precisão suficiente para serem publicadas. Para ultrapassar este problema...

‣ Adultos que não completaram a actual escolaridade obrigatória: que desafios perante o mercado de trabalho?

Cavacas, Marina Nobre
Fonte: Instituto Universitário de Lisboa Publicador: Instituto Universitário de Lisboa
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2008 Português
Relevância na Pesquisa
27.014607%
Mestrado em Sociologia das Organizações, Trabalho e Emprego; Na actual sociedade, a educação e a formação profissional são as principais formas de preparação ou adaptação dos indivíduos para o mundo do trabalho, o qual tem vindo a tornar-se ao longo do tempo cada vez mais exigente. Como tal, a escolaridade insuficiente ou desadequada é um verdadeiro factor de vulnerabilidade para os indivíduos, constituindo um problema no momento de entrada e permanência no mercado de trabalho. Este trabalho de investigação tem como problemática central os baixos níveis de escolaridade no contexto português, e tem como principais objectivos analisar os desafios com os quais se deparam os indivíduos que não completaram a actual escolaridade obrigatória no mercado de trabalho, especialmente quando confrontados com uma situação de desemprego. O estudo empírico foi desenvolvido através de uma metodologia qualitativa, com a finalidade de aprofundar a experiência de desemprego dos indivíduos que não completaram a actual escolaridade obrigatória inscritos no Centro de Emprego do Seixal. Como conclusão, verificou-se que a situação de desemprego surge recorrentemente na vida destes indivíduos e é particularmente penosa...

‣ Tipologias de desempregados em Portugal em 2001 e em 2010: uma contribuição para a definição de políticas públicas de emprego

Amaro, Ana Paula Batista
Fonte: Instituto Universitário de Lisboa Publicador: Instituto Universitário de Lisboa
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2012 Português
Relevância na Pesquisa
27.08176%
Mestrado em Políticas de Desenvolvimento de Recursos Humanos/Códigos do JEL Classification System: C38, I25, J64, J65; No cenário da actual crise económica, os dados da OIT (2010) e do Eurostat (2010), permitem validar o aumento da taxa de desemprego nos países da União Europeia (UE) nos últimos anos e as mudanças qualitativas ocorridas no perfil dos cidadãos desempregados. Neste contexto, torna-se fundamental identificar e compreender as variáveis que estarão a contribuir para o aumento da taxa e duração do desemprego em Portugal, e assim, analisar as mudanças ocorridas no perfil dos desempregados em Portugal. Para este efeito, foi realizada uma análise estatística com base nos “Conjuntos Difusos- fuzzy clustering”, aos microdados presentes no Inquério ao Emprego, relativamente aos anos de 2001 e de 2010, cedidos pelo Instituto Nacional de Estatistica (INE). O modelo de análise da duração do desemprego proposto, contempla características sócio-demográficas e fatores comportamentais e situacionais. Foram identificadas 3 tipologias de desempregados em 2001 e em 2010, que revelam a existência de algumas diferenças nos perfis de desempregados nos anos em análise. Em 2001...

‣ O impacto da situação de desemprego no bem-estar subjectivo

Padre, Susana Cristina das Neves
Fonte: Universidade do Algarve Publicador: Universidade do Algarve
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2012 Português
Relevância na Pesquisa
27.08176%
O nosso estudo pretende determinar o impacto da situação de desemprego ao nível do bemestar subjectivo. Procura observar a influência de alguns factores nomeadamente o suporte social percebido e o coping na relação com o bem-estar subjectivo na situação de desemprego. Envolve ainda a análise de características sociodemográficas e características específicas do desemprego (socioprofissionais) na relação com os recursos emocionais e na satisfação com a vida. De modo a concretizar o estudo, envolvemos uma amostra de 128 participantes residentes na região do Algarve. Foram utilizadas a Escala de Satisfação com a Vida-SWLS (Diener & colaboradores, 1985, versão portuguesa de Simões, 1992), a Escala de Afectos Positivos e Afectos Negativos-PANAS (Watson, Clerk & Tellegen, 1988, versão portuguesa de Simões, 1993), o Questionário de Suporte Social–SSQ6 (Sarason & colaboradores, 1987, versão portuguesa de Pinheiro & Ferreira, 2002), o Brief COPE (Carver, Scheier e Weintraub, 1989, versão portuguesa de Ribeiro & Rodrigues, 2004) e um questionário sociodemográfico e socioprofissional. Os resultados sugerem que a situação de desemprego tem um impacto no bem-estar subjectivo do indivíduo. Observa-se ainda a existência de variáveis que influenciam esta relação...

‣ Bem-estar psicológico e preocupações de carreira: estudo comparativo entre empregados e desempregados

Gaspar, Cláudia Lopes
Fonte: Universidade do Algarve Publicador: Universidade do Algarve
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2013 Português
Relevância na Pesquisa
27.08176%
A transição para a situação de desemprego implica profundas alterações na vida dos indivíduos, atingindo várias dimensões e influenciando a sua identidade profissional e psicológica. Uma evidência das transformações socioeconómicas e da crise financeira é o aumento da taxa de desemprego. Em Portugal, esta taxa atingiu, no segundo trimestre de 2013, os 16,4% (INE, 2013), valor superior em 1,4 pontos percentuais ao do trimestre homólogo de 2012. No presente estudo, foram analisados os níveis do bem-estar psicológico de indivíduos empregados e desempregados, e são consideradas variáveis como a duração do desemprego, as estratégias de procura de emprego e diferentes situações de mudança de carreira. Participaram no estudo 224 indivíduos (42,4% desempregados), de ambos os sexos (65,2% do género feminino e 34,8% do género masculino), com idades compreendidas entre os 18 e os 56 anos. Foi aplicado um questionário sociodemográfico, onde incluímos o item do Inventário de Preocupações de Carreira (Duarte, 1987), que avalia as atitudes e os projetos associados a uma provável mudança na carreira e a Escala de Bem-Estar Psicológico (Ferreira & Simões, 1999). Os resultados parecem sugerir diferentes níveis de bem-estar psicológico em função da situação do indivíduo face ao emprego e à carreira...

‣ Da invenção do desemprego à sua desconstrução

Gautié,Jerôme
Fonte: Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social - PPGAS-Museu Nacional, da Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ Publicador: Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social - PPGAS-Museu Nacional, da Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/10/1998 Português
Relevância na Pesquisa
27.014607%
A categoria de "desemprego" é fruto de uma construção social, estatística e jurídica que se pode fazer recuar, na Europa, ao fim do século XIX e início do XX. Nasceu de uma reformulação da "questão social" que se articulava em torno da noção de "pobreza", até o fim do século XVIII, e de "pauperismo", no século XIX. A noção macrossocial de "desemprego" encontra-se no cerne de um novo paradigma de representação e de ação, que tem seu acabamento no programa de Beveridge de busca do "pleno emprego" nas sociedades democráticas do pós-guerra. A partir dos anos 60, assiste-se a um processo de "desconstrução" progressiva da noção de desemprego, em alguns aspectos simétrico ao que deu lugar à "invenção do desemprego". Esse processo fragiliza o discurso econômico, que fundara sua legitimidade, ao longo do pós-guerra, sobre o sucesso das políticas de "pleno emprego".

‣ Empreendedorismo e crescimento econômico: uma análise empírica

Barros,Aluízio Antonio de; Pereira,Cláudia Maria Miranda de Araújo
Fonte: Associação Nacional dos Programas de Pós-graduação em Administração Publicador: Associação Nacional dos Programas de Pós-graduação em Administração
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2008 Português
Relevância na Pesquisa
27.014607%
O empreendedorismo dos pequenos negócios é quase unanimemente visto como benéfico para a vida econômica e social de países e regiões. Este artigo busca responder à seguinte questão de pesquisa: no Brasil, as diferentes taxas de empreendedorismo entre regiões afetam o desempenho econômico? O artigo investiga os efeitos da atividade empreendedora no crescimento econômico e na taxa de desemprego em 853 municípios de Minas Gerais. A taxa de empreendedorismo de cada município é medida pela proporção dos trabalhadores por conta-própria na população economicamente ativa. O seu impacto no crescimento do PIB e no desemprego é analisado através da metodologia dos modelos de regressão múltipla. Os resultados revelam forte associação entre empreendedorismo e desemprego: quanto maior a atividade empreendedora do município, menor a taxa de desemprego. Mas a influência do empreendedorismo sobre o crescimento econômico local é negativa: onde havia maior atividade empreendedora em 2000, o crescimento do PIB nos três anos seguintes foi menor. A interpretação destes resultados nos remete à discussão do empreendedorismo por necessidade que caracteriza boa parte da atividade empreendedora no Brasil.

‣ Ele ainda canta de galo: etnografando homens pobres no domínio da casa

Maria Nanes Correia dos Santos, Giselle; Teodósio de Quadros, Marion (Orientador)
Fonte: Universidade Federal de Pernambuco Publicador: Universidade Federal de Pernambuco
Tipo: Outros
Português
Relevância na Pesquisa
27.08176%
A literatura antropológica sobre famílias de grupos populares brasileiras assinala que, face à precariedade da condição de subsistência, há enfraquecimento do papel de provedor do homem, seu afastamento do grupo doméstico e valorização da atividade econômica feminina, os resultados desta pesquisa são diferentes. O objetivo deste trabalho foi buscar compreender como homens pobres, em situação de desemprego, vivenciam a relação com a casa. O tripé de análise - rua, homens pobres e casa é norteado pelos pressupostos da Antropologia Feminista (Henrrieta Moore, 2004) e pela perspectiva das relações de gênero (Joan Scott, 1995). Sob o referencial da Antropologia Interpretativa, foi elaborada uma etnografia na comunidade Parque Residencial Bola na Rede, situada numa região de periferia do Recife (PE), onde realizou-se observação participante entre janeiro e junho de 2009. Foram feitas entrevistas com seis homens da comunidade, três deles na faixa etária de 20 anos e três na faixa de 40 anos. Os resultados indicam que homens, em situação de desemprego, procuram reinventar o espaço da casa, como um dos principais mecanismos de manutenção de poder e status masculino. O argumento central, defendido...

‣ Uma análise do mecanismo ótimo para o segurodesemprego brasileiro

Andrade, Claúdia Sá Malbouisson; Ramos, Francisco de Sousa (Orientador)
Fonte: Universidade Federal de Pernambuco Publicador: Universidade Federal de Pernambuco
Tipo: Outros
Português
Relevância na Pesquisa
27.08176%
Esta tese realiza uma análise econômica do seguro-desemprego brasileiro com o objetivo de avaliar o atual sistema e sugerir um desenho ótimo para este programa considerando a existência de risco moral na relação entre o governo que paga o benefício e o trabalhador desempregado. Para uma melhor avaliação do atual sistema de seguro desemprego brasileiro, faz-se uma breve descrição dos esquemas existentes em algumas economias desenvolvidas e em desenvolvimento. Observa-se que relativamente aos demais países o esquema de seguro desemprego brasileiro é razoavelmente desenvolvido. Devido a inexistência de um sistema complementar de monitoramento do comportamento de busca do trabalhador desempregado segurado, a forma considerada para incentivar o trabalhador à realização da busca é por meio de uma seqüência de pagamentos decrescentes do benefício. A análise é feita aplicando o modelo principal agente repetido envolvendo um agente com aversão ao risco um principal neutro ao risco que não pode monitorar o esforço de busca do agente. A partir do trabalho de Hopenhayn e Nicolini (1997), considera-se o efeito da inclusão de um imposto salarial após o reemprego, como função da duração do desemprego. Os resultados encontrados evidenciam ser possível reduzir os custos com o seguro-desemprego...

‣ Razões para Viver, Resiliência e Depressão nos Desempregados da Região de Leiria

Francisco, Rita Margarida Santos
Fonte: Escola Superior de Enfermagem de Coimbra Publicador: Escola Superior de Enfermagem de Coimbra
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 17/07/2015 Português
Relevância na Pesquisa
27.08176%
A crise económica, iniciada em 2007, na Europa, continua a representar grandes desafios para o Comité Económico e Social Europeu, para a Organização Internacional do Trabalho (OIT) e para a Organização Mundial de Saúde (OMS). Esta nova realidade resultou em significativos declínios na economia, aumento do desemprego, recessão dos mercados de habitação e um número crescente de pessoas que vivem em situação de pobreza. Relativamente a Portugal, desde 2011, que a situação económica desfavorável se tem agravando, refletindo-se em taxas de desemprego elevadíssimas (17,7% em 2013) e na tomada de medidas de austeridade económica severa, com cortes sucessivos na saúde e no apoio social. A taxa de desemprego, no 1º trimestre de 2014, atingiu 15,1% o que corresponde a 788,1 mil de pessoas sem emprego. Apesar de no 2º trimestre este valor ter descido para 13,9% as 728,9 mil de pessoas sem trabalho, continua excessivamente alto. Consideramos pertinente realizar este estudo para caraterizar a população desempregada da região de Leiria e os efeitos do desemprego na saúde mental, nomeadamente razões para viver, resiliência e depressão, assim como a vulnerabilidade para comportamentos suicidários. A amostra deste estudo corresponde a 207 desempregados com idades compreendidas entre os 18 e os 62 anos. Os dados foram recolhidos no 1º trimestre de 2014...

‣ A Experiência do Desemprego em Portugal: Elaboração duma Tipologia

Loison, Laurence; DINÂMIA'CET-IUL
Fonte: DINÂMIA'CET-IUL Publicador: DINÂMIA'CET-IUL
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: application/pdf
Publicado em 20/02/2012 Português
Relevância na Pesquisa
27.08176%
Qual é o sentido que os indivíduos desempregados, em Portugal, dão a esta experiência específica da sua vida activa? Neste artigo, relacionam-se os factores estruturais da experiência do desemprego com a análise das representações que os desempregados fazem da sua situação e os seus modos de viver essa condição social. Para isso, construiu-se uma tipologia das vivências do desemprego a partir de uma centena de entrevistas com desempregados, numa zona rural e numa zona urbana. Evidenciamos que o modo de regulação social do desemprego em Portugal protege, numa certa medida, contra a estigmatização e, simultaneamente, oferece às pessoas privadas de emprego, numerosas compensações em termos de integração social e de recursos económicos. De facto, a maioria dos autores referem-se a Portugal como uma sociedade de "pobreza integrada". A tipologia proposta, mostra que uma vivência do desemprego de características "tradicionais" é ainda mais numeroso em Portugal do que uma vivência do desemprego, característico da sociedade salarial providencial que começa a aparecer.

‣ Mercado de trabalho, desemprego e discriminação: Bahia 2001-2008

Silva Filho, Luís Abel da; URCA; Queiroz, Silvana Nunes de; URCA; Clementino, Maria do Livramento Miranda; UFRN
Fonte: UFPR Publicador: UFPR
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 17/10/2012 Português
Relevância na Pesquisa
27.08176%
A discussão acerca da seletividade no mercado de trabalho perpassa o arcabouço teórico e consolida-se nas evidências empíricas. O desemprego atinge sobremaneira os grupos sociais minoritários. Perante esse fato, este artigo tem como proposta central de investigação avaliar o mercado de trabalho e o perfil do desempregado no Estado da Bahia. Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), e foram tabulados para os anos entre 2001 a 2008. Os principais resultados mostram redução na taxa de desemprego do primeiro ao último ano analisado, assim como aumento da participação de ocupados protegidos no trabalho de 4,1 pontos percentuais. No que concerne à caracterização do desemprego baiano, os registros mostram taxas mais elevadas para mulheres, não brancos e jovens, ratificando a literatura. Todavia, em relação ao desemprego segundo a escolaridade, as taxas de desemprego foram mais elevadas para a população com escolaridade entre 9 e 11 anos de estudo, sendo experimentadas as menores taxas por aqueles com escolaridade de 0 a 4 anos...