Página 2 dos resultados de 135 itens digitais encontrados em 0.008 segundos

‣ Medidas e determinantes da mobilidade dos rendimentos do trabalho no Brasil ; Measures and drivers of the earnings mobility in Brazil

Nascimento, Marcos Aurelio do
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 08/07/2005 Português
Relevância na Pesquisa
78.86101%
Este estudo realiza uma análise da evolução da mobilidade dos rendimentos reais do trabalho no Brasil para o período de 1984 a 2001. A partir dos dados da PME, Pesquisa Mensal de Emprego, calcula-se a evolução temporal de cinco indicadores de mobilidade dos rendimentos reais do trabalho, destacando suas principais diferenças entre subgrupos da amostra (gênero, faixa etária, faixa de educação e região metropolitana). Através do Método de Efeitos Fixos, aplicado a indicadores de mobilidade calculados para células da amostra, compostas por indivíduos de características semelhantes, estima-se os determinantes econômicos e demográficos da mobilidade dos rendimentos reais do trabalho no Brasil. Dentre as variáveis econômicas, o rendimento médio real, a taxa básica de juros real e o salário mínimo real afetam positivamente a mobilidade dos rendimentos; a taxa inflação, quando controlada pelos outros fatores econômicos, apresenta apenas efeitos distributivos sobre os rendimentos, fato corroborado pelo efeito negativo do Plano Real sobre os indicadores de mobilidade baseados nas trocas entre os indivíduos; a taxa de desemprego também desempenha um papel importante na determinação da mobilidade, apresentando impactos diferentes...

‣ Jovens e adultos no mercado de trabalho: impacto dos programas de transferência condicional de renda e uma análise agregada usando séries temporais; Youths and adults in the labor market: the impact of conditional cash transfers and an aggregate analysis using time-series

Ferro, Andrea Rodrigues
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 24/08/2007 Português
Relevância na Pesquisa
78.72916%
Esta tese propõe-se a investigar a relação entre o trabalho infanto-juvenil e o trabalho adulto, sob o ponto de vista das famílias e do mercado, através de dois ensaios. No primeiro ensaio, investiga-se o impacto do programa Bolsa Escola sobre o trabalho de crianças e adultos. Programas de transferência condicional de renda, como o Bolsa Escola, tornaram-se bastante utilizados em países pobres e em desenvolvimento como uma forma de aliviar a pobreza presente e incentivar investimentos em capital humano que podem levar as famílias (e indivíduos) a melhores condições de vida no longo prazo. No entanto, esses programas podem influenciar a decisão de trabalhar entre os membros das famílias beneficiárias. A partir dos dados da Pesquisa Nacional por Amostras de Domicílios – PNAD 2003, conclui-se que o programa Bolsa Escola reduz a probabilidade de trabalho das crianças mas, condicional à decisão de trabalhar, a jornada de trabalho não é alterada. Por outro lado, a decisão de trabalho de pais e mães não é afetada pela participação no programa, mas a jornada semanal é alterada nas famílias que participam do Bolsa Escola. O objetivo do segundo ensaio é investigar a relação entre o emprego de jovens e adultos no Brasil sob o ponto de vista do mercado de trabalho. Utilizam-se dados da Pesquisa Mensal de Emprego – PME de janeiro de 1991 a dezembro de 1999 e o ferramental econométrico de séries temporais. Os resultados obtidos mostram que o emprego de jovens está positivamente relacionado com o emprego de homens e mulheres adultos.; This dissertation presents two papers in which we investigate the relationship between child/youth and adult labor from the family and from the labor market point of view. In the first paper...

‣ Educação superior, emprego e renda: uma relação problemática. RMSP. 2002-2009; Higher education, employment and income: a troublesome relation. Sao Paulo Metropolitan Area. 2002 - 2009.

Peres, Thais Helena de Alcântara
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 23/08/2010 Português
Relevância na Pesquisa
88.41866%
Este estudo investigou a relação entre educação e renda a fim de entender os limites da educação superior como promotora do bem-estar individual e social. Pretende, assim, contribuir para a análise dos impactos, no curto prazo, da educação superior sobre o mercado de trabalho e sobre a renda dos trabalhadores em seu conjunto. A escolha do recorte de tempo, 2002-2009, é particular porque é o momento no qual as dinâmicas de três processos sociais, aparentemente sem muita sinergia entre eles, começam a se encontrar. Os processos são: (i) a expansão do acesso ao ensino superior, particularmente do setor privado; (ii) a reestruturação do mercado de trabalho na RMSP Região Metropolitana de São Paulo; e (iii) o crescimento da PIA População em Idade Ativa. A questão que se colocou foi entender quais arranjos sociais seriam feitos para dar conta da maior entrada de pessoas mais jovens e mais escolarizadas num mercado de trabalho que redefinia a sua estrutura de oportunidades. Foram utilizados os bancos de dados da PME Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE para as análises cross section dos mesmos pares de indivíduos em dois momentos, 2002-2003 e 2008- 2009, fornecendo elementos descritivos para a compreensão da relação em foco. Modelos probabilísticos Logit e OLogit foram modelados para a mensuração dos impactos...

‣ A política de salário mínimo e seus efeitos na renda do trabalhador brasileiro no período 2002 a 2011

Mesquita, Patrícia Laurentino de
Fonte: Universidade de Brasília Publicador: Universidade de Brasília
Tipo: Dissertação
Português
Relevância na Pesquisa
88.11501%
Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Departamento de Economia, 2012.; O interesse deste trabalho é identificar de que forma o salário mínimo influenciou o rendimento do trabalho, em particular nos últimos anos, a partir da definição da política de reajustes praticada entre 2002 e 2011. A metodologia utilizada em Neumark et al (2004) foi adaptada para esta pesquisa, realizada com dados da Pesquisa Mensal de Emprego - PME, elaborada pelo IBGE, para os anos de 2002 a 2011. Um painel rotacional relaciona o salário mínimo e faixas de distribuição de rendimentos. Uma análise contrafactual mostra o efeito de um reajuste real de 5% do salário mínimo sobre a renda. As estimativas indicam que os trabalhadores de salários próximos ao mínimo foram os mais fortemente afetados, com efeitos em escala decrescente a medida que aumenta o nível salarial. O efeito um ano após o aumento tem elasticidade máxima de 0,8 para salários de 0.9 a 1.1 salário mínimo, que sobe para 1,0 quando considerado apenas o período de 2006 a 2011. O efeito-resposta dado um reajuste de 5% no salário mínimo é de 4%...

‣ Adiamento do ingresso no mercado de trabalho sob o enfoque demográfico: uma análise das regiões metropolitanas brasileiras

Tomás,Maria Carolina; Oliveira,Ana Maria Hermeto C. de; Rios-Neto,Eduardo Luiz G.
Fonte: Associação Brasileira de Estudos Populacionais Publicador: Associação Brasileira de Estudos Populacionais
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2008 Português
Relevância na Pesquisa
88.23652%
O trabalho analisa o adiamento do ingresso no mercado de trabalho entre jovens, através de duas técnicas demográficas: o método singulate mean age; e tabelas de sobrevivência. A base de dados utilizada foi a Pesquisa Mensal de Emprego (PME), considerando-se as seis regiões metropolitanas estudadas (São Paulo, Belo Horizonte, Salvador, Rio de Janeiro, Porto Alegre e Recife) conjuntamente. Os períodos analisados foram 1983 e 2001. Ao final, contatou-se um adiamento maior entre os homens, o que os aproxima do padrão de transição feminino, embora eles continuem entrando mais cedo no mercado de trabalho. Ademais, está ocorrendo uma alteração no padrão etário de inserção, já que houve diminuição no contingente de jovens entrando no mercado de trabalho até os 17 anos.

‣ Duraçao do desemprego e transições para o emprego formal, a inatividade e a informalidade

Reis,Maurício; Aguas,Marina
Fonte: Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/03/2014 Português
Relevância na Pesquisa
78.63937%
Longos períodos de desemprego podem influenciar a probabilidade de o indivíduo encontrar um emprego, assim como podem ter efeitos sobre a decisão desse indivíduo sair do mercado de trabalho. Usando dados da PME (Pesquisa Mensal de Emprego) para o período entre 2006 e 2013, estimamos modelos de duração que consideram transições do desemprego para o emprego, que pode ser formal ou informal, e para a inatividade. De acordo com os resultados, uma determinada característica individual geralmente apresenta efeitos diferenciados dependendo do tipo de transição considerado. Os resultados mostram ainda que as probabilidades de transição para todos os estados analisados aumentam com o tempo de desemprego. Indivíduos há mais tempo no desemprego parecem mais propensos a transitar para um emprego formal ou informal, mas também a deixarem a força de trabalho.

‣ Inserção ocupacional e duração do desemprego nas regiões metropolitanas do Brasil : primeiro emprego e reemprego

Monte, Paulo Aguiar do
Fonte: Universidade Federal de Pernambuco Publicador: Universidade Federal de Pernambuco
Tipo: Outros
Português
Relevância na Pesquisa
88.52137%
A presente Tese de doutorado tem por objetivo descrever e analisar a inserção ocupacional e a duração no estado de desemprego de duas classes de desempregados: a dos indivíduos que procuram o reemprego e a dos indivíduos que procuram o primeiro emprego. No intuito de avaliar as características do indivíduo que interferem na sua inserção ocupacional fora aplicado o modelo Logit bivariado; já com respeito ao estudo da duração esperada do indivíduo no estado de desemprego, utilizou-se o modelo não-paramétrico de Kaplan-Meier. Tendo como base os microdados da Pesquisa Mensal de Emprego PME, 2000 e 2001 - os resultados indicaram chances heterogêneas de inserção ocupacional e de permanência no estado de desemprego; quase sempre em favor dos indivíduos que procuram o reemprego, recomendando a necessidade que mecanismos sejam criados com o objetivo de gerar oportunidades iguais a todos que disputam uma vaga de emprego no mercado de trabalho - especialmente para aqueles que competem em condições desfavoráveis

‣ Uma avaliação dos efeitos do salário mínimo sobre o mercado de trabalho no Brasil; Texto para Discussão (TD) 564: Uma avaliação dos efeitos do salário mínimo sobre o mercado de trabalho no Brasil; An assessment of the effects of the minimum wage on the labor market in Brazil

Foguel, Miguel Nathan
Fonte: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) Publicador: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea)
Tipo: Texto para Discussão (TD)
Português
Relevância na Pesquisa
88.41181%
O principal objetivo deste artigo é estimar os impactos do salário mínimo sobre o mercado de trabalho brasileiro. Para isso, exploramos o processo de convergência dos salários mínimos regionais ocorrido durante a primeira metade dos anos 80. A metodologia empregada foi a usualmente denominada “diferenças em diferenças” e as informações utilizadas foram obtidas da Pesquisa Mensal de Emprego (PME) para as seis principais regiões metropolitanas brasileiras.; Série Monográfica: Texto para Discussão ; 564; Referências Bibliográficas: possui referências bibliográficas

‣ A queda recente da desigualdade de renda no Brasil; Texto para Discussão (TD) 1258: A queda recente da desigualdade de renda no Brasil; The recent fall in Brazilian income inequality

Barros, Ricardo Paes de; Carvalho, Mirela de; Franco, Samuel; Mendonça, Rosane
Fonte: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) Publicador: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea)
Tipo: Texto para Discussão (TD)
Português
Relevância na Pesquisa
88.11455%
Neste trabalho documentamos a evolução recente da desigualdade de renda no Brasil, que, a partir de 2001, começou a declinar de forma acentuada e contínua. O coeficiente de Gini, uma das medidas de desigualdade mais utilizadas, declinou 4,6%, passando de 0,594, em 2001, para 0,566 em 2005. Mas, a despeito dessa queda importante na desigualdade, o país ainda permanece ocupando posição negativa de destaque no cenário internacional, como um dos países com maior grau de desigualdade de renda no mundo. Mesmo no ritmo acelerado com que vem reduzindo a desigualdade, o país ultrapassou apenas 5% dos países no ranking de desigualdade. Além disso, ainda seriam necessários mais de 20 anos para que o Brasil atingisse um nível similar ao da média dos países com maior grau de desenvolvimento. Portanto, é preciso persistir. A má notícia é que existem evidências, com base na Pesquisa Mensal de Emprego (PME), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), de que a queda da desigualdade pode ter se atenuado significativamente em 2006. Mostramos que as estimativas obtidas sobre a queda recente da desigualdade de renda independem da medida de desigualdade, da existência de economias de escala ou de necessidades diferenciadas de crianças...

‣ Padrão espacial da evolução do emprego formal: 1995-2003; Texto para Discussão (TD) 1102: Padrão espacial da evolução do emprego formal: 1995-2003; Spatial pattern of formal employment trends: 1995-2003

Ramos, Lauro; Ferreira, Valéria
Fonte: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) Publicador: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea)
Tipo: Texto para Discussão (TD)
Português
Relevância na Pesquisa
79.037666%
As diferenças quanto à homogeneidade espacial da evolução das principais variáveis associadas ao funcionamento do mercado de trabalho já foram identificadas em alguns estudos. Se, por um lado, o comportamento do nível da ocupação parece ser espacialmente neutro, o do emprego formal e da informalidade é heterogêneo, principalmente no que diz respeito ao recorte metropolitano. Essas evidências para o emprego formal, encontradas nos dados amostrais da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), são examinadas em maior profundidade neste estudo, com base nos dados da Relação Anual de Informações Sociais (Rais) do Ministério de Trabalho e Emprego (MTE), que consiste basicamente de uma enumeração desse setor. Essas informações confirmam as diferenças na evolução, tanto no tempo quanto na distribuição espacial. Primeiro, tanto para a ocupação formal como um todo quanto para aquela restrita à indústria, o período 1995-1998 apresentou um crescimento muito modesto, ou mesmo retração. De 1999 a 2003, entretanto, o panorama foi radicalmente distinto, com um crescimento expressivo, provavelmente reflexo da mudança de regime cambial que conferiu um “ganho” de produtividade à produção nacional. Segundo...

‣ Um Mapa setorial do emprego e dos salários a partir dos dados da RAIS; Texto para Discussão (TD) 2033 : Um Mapa setorial do emprego e dos salários a partir dos dados da RAIS

Amitrano, Claudio Roberto
Fonte: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) Publicador: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea)
Tipo: Texto para Discussão (TD)
Português
Relevância na Pesquisa
79.00176%
O objetivo deste texto consiste em fazer um mapeamento setorial do mercado de trabalho entre 1995 e 2010, a partir, sobretudo, dos dados de emprego e salário da Relação Anual de Informações Sociais (Rais) e do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), ainda que informações extraídas da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) e da Pesquisa Mensal de Emprego (PME) – ambas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) –também tenham sido utilizadas. O estudo centrou-se na análise da trajetória da composição setorial do emprego e das elasticidades emprego-produto setoriais. Por fim, foi realizada uma discussão sobre a desigualdade de rendimentos no setor formal da economia e o impacto que a segmentação setorial tem sobre sua evolução no período em questão.; 79 p. : il.

‣ Análise regionalizada da massa salarial com uso da PME-IBGE; Comunicados do Ipea 72 : Análise regionalizada da massa salarial com uso da PME-IBGE

Rodrigues Júnior, Waldery; Laureto, Camilo Rey; Pena, Marina Garcia
Fonte: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) Publicador: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea)
Tipo: Comunicados do Ipea
Português
Relevância na Pesquisa
79.14519%
A Pesquisa Mensal do Emprego (PME) é uma pesquisa realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) que permite avaliar as flutuações e tendências da força de trabalho regionalmente. Esta pesquisa tem como alguns de seus objetivos avaliar e traçar metas socioeconômicas sobre o mercado de trabalho nacional, além de informações sociodemográficas. Uma característica importante da pesquisa é a periodicidade de atualização dos resultados pelo IBGE. As bases e resultados são divulgados mensalmente com as características da população residente nas áreas urbanas das principais regiões metropolitanas. Além disso, o trabalho traz resultados não só das características dos trabalhadores como também da estrutura de ocupação e atividade. Como dito anteriormente, a pesquisa foca as principais regiões metropolitanas, ou seja, região metropolitana de Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre. Atualmente, a PME está dividida entre informações sociodemográficas e informações sobre trabalho e educação. Na primeira, são pesquisados todos os moradores entrevistados e, na segunda, apenas moradores com dez anos ou mais de idade, ou seja, População em Idade Ativa (PIA)...

‣ Desempenho do mercado de trabalho metropolitano em 2008; Performance of the metropolitan labor market in 2008

Ramos, Lauro
Fonte: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) Publicador: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea)
Tipo: Brasil em Desenvolvimento (BD) - Artigos
Português
Relevância na Pesquisa
78.709414%
Este capítulo apresenta um panorama do mercado de trabalho metropolitano brasileiro para o ano de 2008 com base, principalmente, nos dados da Pesquisa Mensal de Emprego (PME), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), da Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED), do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) e do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED), do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), que são publicados no boletim Mercado de Trabalho: conjuntura e análise, do Ipea e do MTE. O foco da análise será o comportamento dos principais indicadores do mercado de trabalho ao longo de 2008, à luz dos resultados dos anos anteriores, em particular os de 2007.; p. 145-160 : il.

‣ Volatilidade de renda e a cobertura do Programa Bolsa Família; Texto para Discussão (TD) 1459: Volatilidade de renda e a cobertura do Programa Bolsa Família; Income volatility and the coverage of the Bolsa Familia Program

Soares, Sergei
Fonte: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) Publicador: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea)
Tipo: Texto para Discussão (TD)
Português
Relevância na Pesquisa
88.10851%
Este texto argumenta que há uma incompatibilidade entre os critérios de concessão do benefício Programa Bolsa Família (PBF) e a metodologia usada para definir suas metas de cobertura. Enquanto as regras de concessão rezam que os beneficiários, na ausência de grandes variações positivas na renda, têm direito ao benefício por um período de dois anos, as metas são estimadas com base em pesquisas domiciliares transversais – ou seja, aquelas que não seguem seus entrevistados ao longo do tempo. Na presença de volatilidade na renda dos indivíduos, os dois são incompatíveis. O texto usa a Pesquisa Mensal de Emprego (PME), que contém um painel de quatro meses, para estimar a volatilidade na renda de indivíduos com o perfil próximo ao perfil do Bolsa Família. As conclusões são que a volatilidade é alta e as estimativas de pobreza longitudinais de quatro meses são dois terços maiores que as estimativas de pobreza transversais, feitas em um único mês. Portanto, o método de estabelecer metas de cobertura do Bolsa Família deve ser mudado.; 18 p. : il.

‣ Flexibilidade do mercado de trabalho brasileiro: uma avaliação empírica; Texto para Discussão (TD) 452: Flexibilidade do mercado de trabalho brasileiro: uma avaliação empírica; Flexibility of the Brazilian labor market: an empirical evaluation

Barros, Ricardo Paes de; Mendonça, Rosane Silva Pinto de
Fonte: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) Publicador: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea)
Tipo: Texto para Discussão (TD)
Português
Relevância na Pesquisa
88.09422%
Desenvolve e estima uma medida de flexibilidade salarial que permite: monitorar sua evolução temporal; fazer comparações entre os diversos compartimentos do mercado de trabalho brasileiro; e fazer comparações internacionais. A metodologia utilizada baseia-se numa aplicação do conceito de curva de salário recentemente desenvolvido por Blanchflower e Oswald (1994). Utiliza as informações da Pesquisa Mensal de Emprego (PME), do IBGE.; 46 p. : il.

‣ Uma avaliação empírica do grau de flexibilidade alocativa do mercado de trabalho brasileiro; Texto para Discussão (TD) 499: Uma avaliação empírica do grau de flexibilidade alocativa do mercado de trabalho brasileiro; An empirical assessment of the allocative flexibility of the Brazilian labor market

Barros, Ricardo Paes de; Cruz, Luiz Eduardo Miranda; Foguel, Miguel Nathan; Mendonça, Rosane S. P. de
Fonte: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) Publicador: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea)
Tipo: Texto para Discussão (TD)
Português
Relevância na Pesquisa
88.21731%
O trabalho pretende avaliar o grau de flexibilidade alocativa brasileira combinando medidas para grau de turbulência e de descasamento. A flexibilidade de um mercado é sua habilidade de ajuste a choques com rapidez e na extensão adequada. A magnitude do ajuste depende tanto do grau de flexibilidade como dos choques. Como estes são de difícil observação, utilizam-se mudanças ocorridas no médio prazo como medidas de choques, que são denominadas índices de turbulência do mercado. Estes são, essencialmente, uma medida de como variou a estrutura de mercado entre dois instantes do tempo. As medidas de descasamento, avaliadas pelo coeficiente de variação ao quadrado da taxa de desemprego, visam casar desempregados com postos de trabalho vagos ofertados num dado ponto do tempo. A análise é baseada em informações da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) entre 1976 e 1995 e pela Pesquisa Mensal de Emprego (PME) entre 1983 e 1996. Resultados indicam que o mercado de trabalho no Brasil tende a estar mais sujeito a maiores choques, embora o grau de flexibilidade seja superior ao do mercado dos países industrializados.; 20 p. : il.

‣ Ciclo econômico, emprego e desigualdade; Texto para Discussão (TD) 1981: Ciclo econômico, emprego e desigualdade; Economic cycle, employment and inequality

Cavalcanti, Marco A. F. H.; Moreira, Ajax R. B.
Fonte: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) Publicador: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea)
Tipo: Texto para Discussão (TD)
Português
Relevância na Pesquisa
78.9158%
Este trabalho analisa, para o caso brasileiro, os condicionantes transitórios dos níveis de emprego e distribuição de renda do país, utilizando os microdados da Pesquisa Mensal de Emprego (PME) produzida pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) para avaliar os efeitos de choques macroeconômicos sobre o emprego e a desigualdade de renda de diferentes segmentos sociais, com foco na possível heterogeneidade destes efeitos. Consideram-se oito segmentos sociais, diferenciados segundo três atributos: gênero, experiência e educação. Para relacionar os indicadores sociais de emprego/desigualdade às variáveis macroeconômicas, adotam-se dois tipos de abordagem econométrica: modelos autorregressivos vetoriais padrão – Vector Autoregressive Model (VAR) – e modelos autorregressivos vetorais de fatores – Factor-Augmented Vector Autoregressive (Favar) –, nos quais os choques macroeconômicos são identificados utilizando restrições de sinal inspiradas em modelos dinâmicos estocásticos de equilíbrio geral – Dynamic Stochastic General Equilibrium (DSGE). A comparação entre os resultados das metodologias VAR e Favar permite avaliar em que medida a consideração da possível heterogeneidade dos efeitos pode alterar resultados qualitativos da relação entre os choques macroeconômicos e os indicadores sociais. Os principais resultados do trabalho são que o efeito dos choques identificados: i) é estatisticamente significativo apenas para os modelos Favar...

‣ Uma avaliação dos impactos do salário mínimo sobre o nível de pobreza metropolitana no Brasil; Texto para Discussão (TD) 739: Uma avaliação dos impactos do salário mínimo sobre o nível de pobreza metropolitana no Brasil; An evaluation of the minimum wage impact on the poverty level in metropolitan Brazil

Foguel, Miguel N.; Corseuil, Carlos Henrique; Barros, Ricardo Paes de; Leite, Phillippe G.
Fonte: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) Publicador: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea)
Tipo: Texto para Discussão (TD)
Português
Relevância na Pesquisa
88.1039%
O objetivo deste trabalho é estimar os impactos dos aumentos recentes no salário mínimo sobre o grau de pobreza do conjunto das seis principais regiões metropolitanas brasileiras. Fazendo uso dos dados longitudinais da Pesquisa Mensal de Emprego (PME) do IBGE, empregamos uma metodologia que decompõe as variações no grau de pobreza entre pares de meses próximos aos aumentos do salário mínimo ocorridos em maio dos anos de 1995, 1996, 1997 e 1998. Com base nessa decomposição, procuramos identificar a parcela das variações no grau de pobreza que poderia ser atribuída aos aumentos do salário mínimo. Os resultados obtidos mostram que os aumentos recentes do salário mínimo tiveram um impacto significativo sobre o grau de pobreza metropolitano. A elasticidade média para o período analisado foi de cerca de –0,4, mostrando que um aumento de 10% no valor do salário mínimo reduziria o grau de pobreza em aproximadamente 4%.; 27 p. : il.

‣ Indicadores de emprego e produção industrial: uma nota metodológica; Indicators of employment and industrial production: a methodological note; Textos para Discussão Interna (TD) 51: Indicadores de emprego e produção industrial: uma nota metodológica

Reis, Eustáquio; Bonelli, Regis
Fonte: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) Publicador: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea)
Tipo: Texto para Discussão (TD)
Português
Relevância na Pesquisa
79.680635%
Este trabalho se propõe a apontar alguns problemas nos indicadores de emprego e produção industrial obtidos a partir da Pesquisa Industrial Mensal do IBGE (PM), mostrando inconsistência entre esses indicadores e as estatísticas de emprego e produção que são publicadas pelas Pesquisas Industriais (PI) do próprio IBGE. Concluiu-se que existem evidências seguras de que os indicadores mensais de emprego e produção obtidos da Pesquisa Mensal tenderam a subestimar as variações de emprego e produção na Indústria de Transformação.; 41 p. : il.

‣ Mobilidade entre estados de pobreza e inserção no mercado de trabalho: uma análise para o Brasil metropolitano em 2004

Machado, Ana Flávia; Ribas, Rafael Perez; Penido, Mariângela
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de RP Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de RP
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; Formato: application/pdf
Publicado em 01/06/2007 Português
Relevância na Pesquisa
78.86735%
The relation between dynamics of poverty and labor market includes some issues as what conducts certain poor groups to escape of this condition and what induces other groups to enter in the poverty. Seeking to analyze these issues, the purpose of this article is to investigate the relation between poverty states and way of occupational conditions in the labor market in Brazilian metropolitan areas in 2004. To follow up individuals in the sample, in order to hold the mobility, the Pesquisa Mensal de Emprego (PME) 2004 was used as source of the database. The model of mobility, or poverty transition model, is based on a Markov matrix, using as strategy of estimating a probit model with sample selection. Observing the mobility process in this model, poverty permanence rates and poverty transition rates had been calculated, as well as other mobility measurements, for each group of occupational condition. The results point out the importance of labor market aspects to permanence in the non-poor state and transitions to out of poverty.; A relação entre dinâmica da pobreza e inserção no mercado de trabalho compreende questões como o que direciona certos grupos pobres a escaparem desta condição e o que induz outros grupos a entrarem na po-breza. Buscando analisar essas questões...