Página 1 dos resultados de 2874 itens digitais encontrados em 0.004 segundos
Resultados filtrados por Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

‣ Explorando as fronteiras do desemprego: reflexões a partir da categoria "desemprego por desalento"

Jardim, Fabiana A. A.
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; "Originais" Formato: application/pdf
Publicado em 04/12/2005 Português
Relevância na Pesquisa
37.287004%
O artigo tem como objetivo discutir as perspectivas e os limites da categoria "de-semprego" para a compreensão do mundo do trabalho e de suas mudanças. Partindo de dados relativos a 1989 e 2002, produzidos pela Pesquisa de Emprego e Desemprego (SEADE/DIEESE), procura-se explorar as fronteiras do que a categoria desemprego re-vela ou deixa de revelar. Na medida em que a PED trabalha também com a noção de desemprego oculto, a comparação entre os dados de um ou outro tipo de desemprego permite uma interessante reflexão sobre as dinâmicas de inserção/exclusão e também sobre a visibilidade de cada um dos tipos de desemprego — conforme os atributos pes-soais do desempregado e conforme as representações sociais sobre quem constitui o "núcleo duro" do emprego e, conseqüentemente, do desemprego. A questão do direito ao trabalho ganha novos contornos a partir da observação daqueles que "ficam fora da conta" a despeito de sua vontade ou necessidade de trabalhar. Finalmente, o artigo procura formular algumas questões em relação aos limites da categoria desemprego para a interpretação da atual dinâmica do mercado de trabalho; categoria, aliás, que sempre teve entre nós um poder explicativo limitado, dada a heterogeneidade das situações ocupacionais presentes no mercado de trabalho brasileiro. A reflexão possibilitada pela exploração das fronteiras do desemprego revela nossa dificuldade em pensar o mundo do trabalho para além das três situações ocupacionais típicas (emprego — desemprego — inatividade) e provoca a criação de novos instrumentos analíticos para a compreensão do mundo do trabalho.