Página 1 dos resultados de 314 itens digitais encontrados em 0.003 segundos

‣ Experimentos surpreendentes e sua importância na promoção da motivação intrínseca do visitante em uma ação de divulgação científica: um olhar a partir da teoria da autodeterminação; Amazing experiments and their importance in promoting intrinsic motivation of the visitor in an action for science communication: A view from the self-determination theory

Teixeira, Jonny Nelson
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 11/04/2014 Português
Relevância na Pesquisa
68.563564%
Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo. Entre os experimentos utilizados em centros e museus de Ciências sempre existem alguns que se destacam, por chamar e prender mais atenção dos visitantes que frequentam estes lugares, extremamente importantes para a promoção e o aumento dos níveis de alfabetização e de cultura científica. As características destes experimentos os transformam em vedetes dos locais destinados à educação não formal, por emitirem sons, luzes, cores ou causarem qualquer tipo de surpresa ou susto quando os visitantes interagem com os equipamentos citados. Dentro de projetos de divulgação científica itinerantes estes objetos também estão presentes, executando diversas funções nas exposições, que se dividem na maioria das vezes em mesas, montadas em locais que geralmente não têm acesso aos locais fixos de divulgação científica, localizados muitas vezes em grandes cidades. A estes equipamentos chamamos nesta pesquisa de experimentos surpreendentes por causarem sensações diversas nos visitantes. Esta pesquisa identificou estes tipos de experimentos e estudou a influência das suas características para a promoção da motivação, importante na mudança comportamental dos visitantes presentes nos centros e museus de Ciência e nas ações itinerantes de divulgação científica. Como resultados desta pesquisa pudemos observar que não apenas as características dos experimentos surpreendentes...

‣ Motivação intrinseca e o estado mental flow em corredores de rua; Intrinsic motivation and flow state in street runners

Fabio Luiz Massarella
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 12/02/2008 Português
Relevância na Pesquisa
58.96878%
A motivação intrínseca é caracterizada pelo comportamento comprometido consigo mesmo e com o prazer e satisfação derivados da participação, enquanto a motivação extrínseca ocorre se a tarefa é realizada na expectativa de recompensas externas. Quando um indivíduo está motivado intrinsecamente pode vivenciar um estado mental diferenciado, denominado estado de flow, uma teoria desenvolvida pelo psicólogo e pesquisador Mihalyi Csikszentmihalyi. Trata-se de um estado de atenção plena e envolvimento profundo, que resulta em experiências marcantes e de grande significado pessoal. As duas teorias, motivação intrínseca e estado de flow, constituíram o referencial teórico para analisar: quais os motivos subjacentes à escolha da prática de corrida de rua como modalidade esportiva; a tendência motivacional intrínseca ou extrínseca; a vivência de um estado mental diferenciado como o flow e a relação com o engajamento na corrida. Este estudo analisou as respostas de praticantes de corrida de rua a uma entrevista semi-estruturada. Os dados foram analisados pelo método de ?análise de conteúdo?, baseado em Bardin, por meio da qual foram levantadas categorias temáticas relativas aos sentimentos e pensamentos dos praticantes quando estão correndo e às experiências pessoais vivenciadas nessa prática. As categorias levantadas foram: incentivos favoráveis e desfavoráveis com relação à motivação para a atividade; sentimentos favoráveis e desfavoráveis; pensamentos favoráveis e desfavoráveis; experiências pessoais positivas e negativas. As análises revelaram que a maioria dos praticantes começou seu envolvimento com a corrida motivada extrinsecamente...

‣ A motivação intrínseca no 1º ciclo do ensino básico : contributos do projeto curricular integrado

Marinho, Jennifer Cristina
Fonte: Universidade do Minho Publicador: Universidade do Minho
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso
Publicado em //2013 Português
Relevância na Pesquisa
68.900347%
Relatório de estágio de mestrado em Educação Pré-escolar e Ensino do 1º Ciclo do Ensino Básico; É fundamental que os alunos, desde de cedo no seu percurso escolar, se sintam motivados para aprender e desenvolvam uma atitude positiva e autónoma perante a sua aprendizagem. As atividades que são intrinsecamente motivadas são mais recompensadoras, as crianças aprendem mais com estas atividades, retêm e aprendem com mais eficácia e são mais envolvidas na sua própria aprendizagem e desenvolvimento. Baseado na metodologia de investigação-ação, é discutido e analisado de que forma o desenvolvimento de um Projeto Curricular Integrado pode proporcionar oportunidades e experiências favoráveis para a promoção da motivação intrínseca das crianças no 1.º Ciclo do Ensino Básico. Por conseguinte, os principais objetivos deste estudo centram-se em compreender de que forma o desenvolvimento de um Projeto Curricular Integrado promove a construção ativa e crítica de conhecimentos significativos, nomeadamente através da exploração e desenvolvimento de conhecimentos e competências consignados no currículo e como atribui significado à construção de atividades e estratégias que potencializam o aumento da motivação intrínseca dos alunos. Procura-se ainda analisar o papel de reciprocidade entre a motivação intrínseca e o trabalho...

‣ Liderar para a criatividade : o papel da motivação intrínseca no desenvolvimento de novas ideias

Bagulho, Maria Leonor
Fonte: Universidade Católica Portuguesa Publicador: Universidade Católica Portuguesa
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em 30/03/2014 Português
Relevância na Pesquisa
68.924795%
A presente investigação tem como objectivo compreender de que forma um líder pode potenciar a criatividade dos membros da sua equipa, num ambiente organizacional. Assim, o nosso corpus teórico baseia-se nos conceitos de liderança e criatividade. Na abordagem ao primeiro conceito apresentamos uma análise da sua evolução, centrando-nos especialmente nas teorias de liderança emocional de Goleman. No que se refere à criatividade, partindo de uma abordagem mais genérica, centramo-nos na especificidade da criatividade enquanto processo e enquanto uma actividade de todos os dias, socorrendo-nos essencialmente da teorização proposta por Amabile. O desenvolvimento da nossa investigação parte da Teoria Componencial da criatividade, que sugere a motivação intrínseca como o elemento da criatividade mais susceptível à acção do líder. Assim, propomo-nos a identificar elementos e formas de liderança que actuem directamente na motivação intrínseca, enquanto variável de mediação para a criatividade. A fase empírica desta investigação foca-se nessas formas de liderança e elementos para a motivação intrínseca, testando-os através de entrevistas semi-dirigidas e de inquéritos. Apesar de este último método ser tendencialmente quantitativo...

‣ A motivação e a experiência de fluxo no ensino de artes visuais

Carreira, Ana Cristina Sarraipa
Fonte: Universidade de Aveiro Publicador: Universidade de Aveiro
Tipo: Dissertação de Mestrado
Português
Relevância na Pesquisa
58.985176%
O presente relatório visa contribuir para a compreensão da motivação intrínseca e da experiência fluxo (Csikszentmihaly, 1975) no ensino das artes visuais. O conceito de fluxo, que caracteriza a experiência de envolvimento profundo num desafio, e a teoria da autodeterminação de Deci e Ryan (1985), que caracteriza a motivação como um continuum, são os dois principais modelos teóricos utilizados neste estudo. O desafio pedagógico onde se enquadra o estudo é o projeto coletivo “Ilustra’mar”. A partir desta atividade, pretende-se analisar a variação da motivação intrínseca dos alunos e como esta influencia o seu desempenho, permitindo que estes experienciem o fluxo, o que implica o prazer na aprendizagem. A metodologia assenta na análise dos dados, comparando os resultados obtidos nos dois questionários entregues aos alunos no inicio e no fim da atividade, cruzados com os dados da observação participante e os dados da avaliação final dos trabalhos dos alunos. Do cruzamento e análise da informação apurou-se que a participação no desafio “Ilustra’mar” possibilitou aos alunos a identificação um numero significativo de componentes identificados por Csikszentmihaly para definir uma experiência de fluxo: equilíbrio entre desafios e habilidades...

‣ Responsabilidade Pessoal e Social no Desporto – estudo da relação da motivação intrínseca, competência, enjoyment, orientação motivacional e clima motivacional, em função dos géneros.

Loureiro, Diana
Fonte: Instituto Politécnico de Santarém Publicador: Instituto Politécnico de Santarém
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2013 Português
Relevância na Pesquisa
68.924795%
Projeto de Investigação apresentado para a obtenção do grau de Mestre em Psicologia do Desporto e do Exercício ORIENTADORA: Professora Doutora Carla Chicau Borrego; RESUMO Atualmente, a probabilidade dos adolescentes se envolverem em comportamentos de risco é cada vez maior, o que leva à necessidade de intervir no sentido de os ajudar a serem bem-sucedidos durante a adolescência, juventude e enquanto adultos (Danish, 1997). O contexto desportivo é propício para uma educação informal, que pode contribuir para o desenvolvimento positivo, quer do jovem quer da comunidade (Santos & Gonçalves, 2012). Neste sentido, surgem os programas desportivos de intervenção psicológica com o intuito de desenvolver e melhorar as competências das crianças e jovens. Baseado no modelo de responsabilidade pessoal e social de Hellison, pretendemos realizar a adaptação e validação do instrumento Personal and Social Responsibility Questionnaire de Li, Wright, Rukavina e Pickering (2008); verificar se os participantes masculinos com maiores níveis de responsabilidade pessoal e social, apresentam maior motivação intrínseca...

‣ Escala de motivação: Adaptação e validação da Motivation Scale (M.S.) de Rempel, Holmes e Zanna

Afonso, José de Abreu; Leal, Isabel Pereira
Fonte: Sociedade Portuguesa de Psicologia da Saúde Publicador: Sociedade Portuguesa de Psicologia da Saúde
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em //2009 Português
Relevância na Pesquisa
58.750547%
O objectivo deste estudo é a adaptação e a validação para a população portuguesa da Motivation Scale, de Rempel, Holmes e Zanna (1985). Enquadra-se e define-se o conceito de motivação, considerando-se a motivação intrínseca, a motivação extrínseca e a motivação instrumental, que viso integrar a construção da escala, bem como o seu impacto nas relações conjugais. Os participantes foram 436 sujeitos, 218 casais, 152 casados, 66 em união de facto. Para a nossa amostra, a sensibilidade dos itens demonstrou ter características discriminativas. Quanto à validade, a análise factorial pelo método KMO foi de 0,95 para a sub escala de motivos pessoais e 0,95 para a escala de motivos do parceiro, permitindo o recurso a análises factoriais confirmatórias de componentes principais com rotação obliqua, que não confirmaram uma estrutura tripartida. No que respeita à fidelidade, recorreu-se ao Alpha de Cronbach que nos 2 factores e nos totais das escalas foram superiores aos encontrados pelos autores na sua estrutura tripartida. Obtivemos assim uma escala final constituída por duas sub escalas: sub-escala de motivação intrínseca e sub-escala de motivação extrínseca. ------ ABSTRACT ------ The aim of this study is to validate theMotivation Scale (Rempel...

‣ Relação entre a motivação intrínseca para a Matemática e o suporte do professor, desempenho académico, género e ano de escolaridade

Santos, Marta Sofia Vitorino
Fonte: ISPA - Instituto Universitário Publicador: ISPA - Instituto Universitário
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2012 Português
Relevância na Pesquisa
58.86769%
Dissertação de Mestrado em Psicologia Educacional; No presente estudo tivemos como objetivos analisar as relações entre a motivação para a Matemática e a perceção que os alunos têm do suporte à autonomia dado pelos seus professores, assim como analisar a relação entre a motivação para a Matemática e o ano de escolaridade, desempenho académico e o género dos alunos. Participaram neste estudo 179 alunos que frequentavam o 6º e 9º ano de escolaridade de uma escola pública de Lisboa. Os instrumentos utilizados foram a escala “Eu e a Matemática” (IMI) e o “Suporte do professor em sala de aula” (LCQ). Os resultados obtidos demonstraram que os alunos atribuem valor e utilidade à Matemática mas não se percecionam como muito competentes nesta disciplina. A motivação para a Matemática e o suporte à autonomia apresentou uma relação positiva, significativa e moderada, excetuando a dimensão Escolha Percebida que apresentou um valor correlacional baixa. O suporte à autonomia dado pelo professor está relacionado com a motivação dos alunos. Constatou-se que os alunos que apresentavam melhores níveis de desempenho académico demonstraram níveis de motivação intrínseca para a Matemática superiores. Verificou-se também que os níveis de motivação intrínseca para a Matemática diminuem com o aumento do ano de escolaridade. Quanto ao género...

‣ A motivação intrínseca e extrínseca na disciplina de educação física : as diferenças de género em alunos do ensino básico

Rosa, António José Pinto
Fonte: Universidade da Beira Interior Publicador: Universidade da Beira Interior
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em /06/2012 Português
Relevância na Pesquisa
69.217407%
A Teoria da Autodeterminação, proposta por Deci & Ryan (1985) explica as ações menos e mais autodeterminadas (i.e. controladas versus autónomas), da motivação numa perspetiva multidimensional. Neste estudo procuramos conhecer os motivos mais e menos importantes que influenciam a motivação intrínseca e extrínseca entre os rapazes e as raparigas na disciplina de Educação Física e comparar a motivação intrínseca e extrínseca entre género. A amostra do estudo, de conveniência, foi constituída por 478 alunos do Agrupamento de Escolas João Roiz, de Castelo Branco, sendo 256 indivíduos do sexo masculino e 222 alunos do sexo feminino. A recolha de dados foi feita através do questionário elaborado e validado por Kobal (1996), constituído na sua totalidade por 3 dimensões de questões, (i.e. participação, o gosto e não gosto pelas aulas de Educação Física). Os dados foram tratados através da metodologia quantitativa pelo que recorremos à estatística descritiva inferencial. Os resultados obtidos evidenciam, na análise descritiva, que tanto os rapazes como as raparigas estão intrinsecamente e extrinsecamente motivados para as aulas de Educação Física. Deste modo, na motivação intrínseca revelam resultados elevados de concordância com os itens que se enquadram com o gosto...

‣ O estilo motivacional do professor e a motivação intrínseca dos estudantes: uma perspectiva da Teoria da Autodeterminação

Guimarães,Sueli Édi Rufini; Boruchovitch,Evely
Fonte: Curso de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Curso de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2004 Português
Relevância na Pesquisa
68.900347%
A Teoria da Autodeterminação foi proposta com o objetivo de compreender os componentes da motivação intrínseca e extrínseca e os fatores relacionados com a sua promoção. Nessa perspectiva, são abordadas a personalidade e a motivação humana, concentrando-se nas tendências evolutivas, nas necessidades psicológicas inatas e nas condições contextuais favoráveis à motivação, ao funcionamento social e ao bem estar pessoal. No contexto da pesquisa educacional, a motivação intrínseca tem sido relacionada ao envolvimento dos alunos com as tarefas de aprendizagem, pela preferência por desafios, persistência, esforço, uso de estratégias de aprendizagem, entre outros resultados positivos. Partindo da Teoria da Autodeterminação, este artigo tem como objetivos analisar os conceitos relativos à motivação intrínseca, postulados nessa teoria, refletir sobre o papel do professor, mas especificamente sobre seu estilo na promoção desse padrão motivacional no aluno, bem como discutir as implicações educacionais deste tema.

‣ Estratégias para aplicação de políticas parciais com motivação intrínseca.; Application strategies for intrinsic motivated options

Beirigo, Rafael Lemes
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 02/10/2014 Português
Relevância na Pesquisa
68.62289%
As técnicas de Aprendizado por Reforço permitem a solução de um problema através da escolha de ações que maximizem valores de recompensas recebidas que refletem a qualidade das ações tomadas pelo agente em um processo de tentativa e erro. Em problemas com estrutura hierárquica, a solução final depende do encadeamento de soluções para subproblemas aí presentes, sendo frequente a repetição de subproblemas nesse encadeamento. Nesses casos, a utilização de políticas parciais permite o aprendizado e armazenamento das soluções individuais para cada subproblema, que podem então ser utilizadas múltiplas vezes na composição de uma solução completa para o problema final, acelerando o aprendizado. Apesar de vantajosa, a utilização de políticas parciais necessita de definições por parte do projetista, o que representa uma sobrecarga. Para contornar esse problema, foram propostas técnicas de descoberta automática de políticas parciais, dentre as quais a utilização de motivação intrínseca se destaca por permitir ao agente aprender soluções de subproblemas úteis na solução do problema final sem a necessidade de se definir manualmente novas recompensas para esses subproblemas individualmente. Apesar de promissora...

‣ Intrinsic Motivation Inventory : Psychometric properties in the context of first language and mathematics learning; Inventário de Motivação Intrínseca : Propriedades psicométricas em contexto de aprendizagem da língua materna e matemática

Monteiro, Vera; Mata, Maria de Lourdes Estorninho Neves; Peixoto, Francisco José Brito
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em //2015 Português
Relevância na Pesquisa
68.79819%
Intrinsic Motivation Inventory (IMI) is a multidimensional measurement grounded on the Self-Determination Theory (SDT) used in assessing the subjective experiences of participants when developing an activity. The aim of this study is to analyze the characteristics of IMI among Portuguese students, testing four organizational models (unidimensional, multidimensional, hierarchical and bi-factor). A total of 3685 students from the 5th to the 12th grades (50.4% boys) participated in the study (M = 13.67, SD = 2.26). Two versions of IMI were used (First Language and Mathematics) with twenty-one items distributed over five subscales: Enjoyment, Perceived Competence, Pressure/ Tension, Perceived Choice and Value/Utility. The confirmatory factor analysis corroborated the multidimensionality of intrinsic motivation, and that the bi-factor model presented the best fit indexes. This model showed the existence of one general factor, resulting from the contribution of all individual dimensions and the particularities of most of them. Furthermore, results also highlighted satisfactory reliability scores both through Cronbach’s alpha scores and Composite reliability scores. These results indicate that this scale is appropriate to evaluate the underlying constructs of the theoretical model of SDT and allows for the calculation of a global measure of intrinsic motivation...

‣ Motivação intrinseca e extrinseca nas aulas de educação fisica

Marilia Correa Kobal
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 22/03/1996 Português
Relevância na Pesquisa
59.01703%
Este trabalho foi realizado com a finalidade de verificar as tendências motivacionais (intrínseca e extrínseca) dos alunos em aulas de Educação Física, entendendo-se por motivação intrínseca, o interesse do indivíduo pelos aspectos inerentes à atividade e por motivação extrínseca, executar a tarefa visando recompensas externas a ela. Pretende-se também verificar a relação do motivo de realização destes alunos com a tendência motivacional (intrínseca ou extrínseca) dos mesmos. O motivo de realização é considerado importante nas aulas de Educação Física devido aos tipos de tarefas propostas, onde há oportunidade de vencer desafios e de auto-superação, implicando em resultados adequados à avaliação. As tendências deste motivo são a expectativa de sucesso, o medo do fracasso 1 (noção de incompetência que o indivíduo tem de si mesmo) e o medo do fracasso 2 (medo das conseqüências sociais do fracasso). O referencial teórico deste trabalho fundamenta a pesquisa realizada com 96 alunos de 7a e 8a séries de uma escola particular de Campinas/SP, onde são aplicados dois instrumentos de coleta de dados: um questionário (contendo questões fechadas e abertas), e um gride de avaliação do motivo de realização. Pelas características destes instrumentos...

‣ A motivação, o clima de sala de aula, as práticas avaliativas nas aulas de matemática: As relações entre si e com o ano de escolaridade

Messias, Daniela Andreia Simão
Fonte: Instituto Universitário de Ciências Psicológicas, Sociais e da Vida Publicador: Instituto Universitário de Ciências Psicológicas, Sociais e da Vida
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2008 Português
Relevância na Pesquisa
59.003203%
O presente estudo teve como objectivo a análise dos níveis motivacionais e da percepção do clima de sala de aula de alunos do 5º ao 7º ano, bem como a percepção que têm das práticas avaliativas dos professores da disciplina de matemática. Participaram no estudo 131 estudantes que pertenciam a uma escola da cidade de Beja. Analisando os níveis motivacionais dos participantes e em relação ao ano de escolaridade, com base nos resultados obtidos através da Escala de Motivação Intrínseca para a Matemática, verificou-se que os alunos demonstraram ter níveis de motivação intrínseca elevados, não revelando diferenças significativas entre os anos de escolaridade em estudo. Com base resultados obtidos na Escala de clima de sala de aula de matemática, constatámos que os alunos percepcionaram de forma positiva o clima da sua sala de aula, sendo as estratégias de aprendizagem cooperativa e individualista, as que apresentaram valores mais elevados. Verificámos ainda um efeito do ano de escolaridade no clima de sala de aula. Ao estudarmos a relação entre a Motivação para a matemática e o Clima de sala de aula, obtivemos correlações significativas entre estas variáveis. Através do questionário “A avaliação das minhas aprendizagens nas aulas de Matemática” construído para este efeito...

‣ A motivação, o clima de sala de aula, as práticas avaliativas nas aulas de matemática : As relações entre si e com o ano de escolaridade

Messias, Daniela Andreia Simão
Fonte: Instituto Universitário de Ciências Psicológicas, Sociais e da Vida Publicador: Instituto Universitário de Ciências Psicológicas, Sociais e da Vida
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2008 Português
Relevância na Pesquisa
59.003203%
Dissertação de mestrado apresentada ao ISPA - Instituto Universitario; O presente estudo teve como objectivo a análise dos níveis motivacionais e da percepção do clima de sala de aula de alunos do 5º ao 7º ano, bem como a percepção que têm das práticas avaliativas dos professores da disciplina de matemática. Participaram no estudo 131 estudantes que pertenciam a uma escola da cidade de Beja. Analisando os níveis motivacionais dos participantes e em relação ao ano de escolaridade, com base nos resultados obtidos através da Escala de Motivação Intrínseca para a Matemática, verificou-se que os alunos demonstraram ter níveis de motivação intrínseca elevados, não revelando diferenças significativas entre os anos de escolaridade em estudo. Com base resultados obtidos na Escala de clima de sala de aula de matemática, constatámos que os alunos percepcionaram de forma positiva o clima da sua sala de aula, sendo as estratégias de aprendizagem cooperativa e individualista, as que apresentaram valores mais elevados. Verificámos ainda um efeito do ano de escolaridade no clima de sala de aula. Ao estudarmos a relação entre a Motivação para a matemática e o Clima de sala de aula, obtivemos correlações significativas entre estas variáveis. Através do questionário “A avaliação das minhas aprendizagens nas aulas de Matemática” construído para este efeito...

‣ A motivação intrínseca e extrínseca na disciplina de educação física : as diferenças de género em alunos do ensino básico

Rosa, António José Pinto
Fonte: Universidade da Beira Interior Publicador: Universidade da Beira Interior
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em /06/2012 Português
Relevância na Pesquisa
69.217407%
A Teoria da Autodeterminação, proposta por Deci & Ryan (1985) explica as ações menos e mais autodeterminadas (i.e. controladas versus autónomas), da motivação numa perspetiva multidimensional. Neste estudo procuramos conhecer os motivos mais e menos importantes que influenciam a motivação intrínseca e extrínseca entre os rapazes e as raparigas na disciplina de Educação Física e comparar a motivação intrínseca e extrínseca entre género. A amostra do estudo, de conveniência, foi constituída por 478 alunos do Agrupamento de Escolas João Roiz, de Castelo Branco, sendo 256 indivíduos do sexo masculino e 222 alunos do sexo feminino. A recolha de dados foi feita através do questionário elaborado e validado por Kobal (1996), constituído na sua totalidade por 3 dimensões de questões, (i.e. participação, o gosto e não gosto pelas aulas de Educação Física). Os dados foram tratados através da metodologia quantitativa pelo que recorremos à estatística descritiva inferencial. Os resultados obtidos evidenciam, na análise descritiva, que tanto os rapazes como as raparigas estão intrinsecamente e extrinsecamente motivados para as aulas de Educação Física. Deste modo, na motivação intrínseca revelam resultados elevados de concordância com os itens que se enquadram com o gosto...

‣ Relação Entre Motivação e Desempenho Escolar em Alunos do 1º Ciclo

Pereira, António José Fernandes
Fonte: ISMT Publicador: ISMT
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso
Português
Relevância na Pesquisa
58.985176%
O presente estudo teve como objectivo analisar a existência de uma possível relação entre motivação (intrínseca ou extrínseca) e o desempenho escolar em alunos do 1º ciclo que frequentam o 4º ano. A amostra foi constituída por 62 alunos, com idades compreendidas entre os 9 e 10 anos, 15 que frequentavam a Escola Básica do 1º Ciclo de Brancas e 47 a Escola Básica da Batalha (24 alunos da Turma A e 23 da Turma B). Considerando a possível existência de variáveis sociodemográficas associadas ao desempenho, no processo de recolha de dados foi aplicado um questionário sóciodemográfico, que pela sua potencial natureza descritiva, interpretativa e reflexiva, constituiu uma importante ferramenta na análise e avaliação dos resultados obtidos. Com o objectivo de avaliar a motivação (intrínseca e extrínseca) foi administrada uma escala de motivação escolar, aferida para a população portuguesa contendo 18 questões. Cada uma destas questões contém 4 possibilidades de resposta (duas referentes à motivação intrínseca e outras duas referentes à motivação extrínseca). Quanto ao desempenho escolar, este foi avaliado através das notas que os alunos obtiveram no final do ano lectivo e que foram facultadas pelas professoras dos mesmos. A análise dos resultados evidenciou que existe uma relação entre a motivação e o desempenho escolar...

‣ Autodeterminação no esporte : o modelo dialético da motivação intrínseca e extrínseca

Barbosa, Marcus Levi Lopes
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Português
Relevância na Pesquisa
59.12311%
O tema da presente pesquisa é a „autodeterminação‟ no esporte escolar. O objetivo principal foi propor e testar um modelo teórico-explicativo da „autodeterminação‟, tendo como suporte a Teoria da Autodeterminação. Para cumprir este objetivo foram conduzidos três estudos, conforme projeto aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS – sob o número 2008055. Estudo 1: O primeiro estudo testou o Modelo hierárquico da motivação intrínseca e extrínseca – MHMIE. A amostra foi composta de 517 (nm = 303; nf = 214) praticantes de equipes esportivas de escolas públicas e privadas do estado do Rio Grande do Sul, com idades de 13 a 19 anos ( X = 15,32; σ = 1,46), regularmente matriculados em turmas que vão do último ano do ensino fundamental ao terceiro ano do ensino médio. Foram avaliados „níveis de autodeterminação‟, „suporte às necessidades psicológicas básicas‟, „percepção das necessidades psicológicas básicas‟ e „intenção de manutenção da atividade esportiva‟. O MHMIE foi testado com a path analysis e equações estruturais. Os resultados obtidos com a path analysis indicaram que há relação causal entre todas as quatro etapas do MHMIE...

‣ Nível de motivação intrínseca e extrínseca dos alunos nas aulas de educação física em um colégio confessional e não confessional

Lessa, Altierres; Melo, Delvinei; Pires, Raphael
Fonte: Universidade Católica de Brasília Publicador: Universidade Católica de Brasília
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso Formato: Texto
Português
Relevância na Pesquisa
68.805596%
Este trabalho objetivou analisar a diferença nos níveis de motivação dos alunos de uma escola confessional e não confessional nas aulas de Educação Física. Fizeram parte da população pesquisada, alunos do ensino fundamental II de uma escola da rede privada de ensino confessional e alunos de uma escola da rede pública não confessional do Distrito Federal. A coleta de dados foi realizada através do questionário de KOBAL (1996). Os dados foram analisados baseando-se na porcentagem (%) das respostas escolhidas pelos alunos das escolas confessionais e não confessionais e concluiu que quanto à motivação intrínseca não houve diferenças significativas entre as instituições em nenhum dos 16 itens correspondentes ao questionário de motivação intrínseca. Quanto à motivação extrínseca houve diferenças, porém não foram significativas.; Educação Física

‣ Escala de motivação: adaptação e validação da Motivation Scale (M.S.) de Rempel, Holmes & Zanna

Afonso,José de Abreu; Leal,Isabel P.
Fonte: Sociedade Portuguesa de Psicologia da Saúde Publicador: Sociedade Portuguesa de Psicologia da Saúde
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2009 Português
Relevância na Pesquisa
58.750547%
O objectivo deste estudo é a adaptação e a validação para a população portuguesa da Motivation Scale, de Rempel, Holmes e Zanna (1985). Enquadra-se e define-se o conceito de motivação, considerando-se a motivação intrínseca, a motivação extrínseca e a motivação instrumental, que viso integrar a construção da escala, bem como o seu impacto nas relações conjugais. Os participantes foram 436 sujeitos, 218 casais, 152 casados, 66 em união de facto. Para a nossa amostra, a sensibilidade dos itens demonstrou ter características discriminativas. Quanto à validade, a análise factorial pelo método KMO foi de 0,95 para a sub escala de motivos pessoais e 0,95 para a escala de motivos do parceiro, permitindo o recurso a análises factoriais confirmatórias de componentes principais com rotação obliqua, que não confirmaram uma estrutura tripartida. No que respeita à fidelidade, recorreu-se ao Alpha de Cronbach que nos 2 factores e nos totais das escalas foram superiores aos encontrados pelos autores na sua estrutura tripartida. Obtivemos assim uma escala final constituída por duas sub escalas: sub-escala de motivação intrínseca e sub-escala de motivação extrínseca.