Página 1 dos resultados de 5 itens digitais encontrados em 0.006 segundos

‣ Trajetórias de adolescentes apreendidos como mulas do transporte de drogas na região da fronteira (Paraná) Brasil - Paraguai: exploração de força de trabalho e criminalização da pobreza

Rocha, Andréa Pires
Fonte: Universidade Estadual Paulista (UNESP) Publicador: Universidade Estadual Paulista (UNESP)
Tipo: Tese de Doutorado Formato: 395 f. : gráfs., tabs.
Português
Relevância na Pesquisa
61.79206%
Pós-graduação em Serviço Social - FCHS; O objetivo da presente tese foi analisar as trajetórias e contradições que determinam o cotidiano de adolescentes que são explorados como ‘mulas’ na rota internacional do tráfico de drogas existente no Estado do Paraná, região de fronteira entre Brasil – Paraguai. O estudo se mostrou pertinente por conta das evidências de que as rodovias paranaenses são utilizadas como rota para o tráfico de drogas internacional proveniente do Paraguai, tendo em vista que este país fornece cerca 80% da maconha utilizada no Brasil. Neste sentido, buscamos entender um pouco sobre o funcionamento do tráfico de drogas conhecido como “formiguinha” numa região de fronteira e, principalmente, como se dá a exploração da força de trabalho de adolescentes nesta atividade. Consideramos as drogas (lícitas ou ilícitas) como mercadorias que dependem de processos de trabalho para sua produção, distribuição e circulação explorando mais-valia do trabalho humano. Observamos que a proibição do uso destas substâncias agrega valor ao seu mercado e inaugura relações regidas pela violência. Construímos uma metodologia pautada em revisão bibliográfica, pesquisa documental e pesquisa de campo. A revisão bibliografia aparece...

‣ A dependência química e o caráter de seu enfrentamento pelas políticas públicas

Oliveira, Daniel Carvalho de
Fonte: Universidade Federal de Santa Catarina Publicador: Universidade Federal de Santa Catarina
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso Formato: 95 f.
Português
Relevância na Pesquisa
60.780703%
TCC (Graduação) - Universidade Federal de Santa Catarina. Centro Socioeconômico. Serviço Social.; O presente trabalho constitui-se num aprofundamento de relevantes questões levantadas durante a experiência de estágio, quando ficou evidente a realidade de exclusão dos dependentes químicos nas políticas públicas. Logo, o objeto do estudo centra-se na problematização da condição do dependente químico e principalmente como o Estado disponibiliza o enfrentamento para tal expressão da questão social. Elementos e características que perpassam o universo dos usuários serão arrolados, assim como a lógica proibicionista que perpassa a ―guerra às drogas‖, guerra esta que surge e se mantém sem que existam estudos científicos que respaldem as ações. Destaca-se a estigmatização social praticada socialmente com a ―naturalização‖ da relação entre drogas e violência social. Portanto, evidencia-se a necessidade de construção de uma base científica que respalde os processos de trabalho das diferentes profissões que estão no enfrentamento da dependência química. A categoria profissional dos assistentes sociais – e especialmente os envolvidos no processo de prevenção e/ou tratamento da Dependência Química nas diversas Instituições que trabalham com esta questão – deve estar em sintonia com as reais necessidades dos usuários...

‣ "Entre o mel e o fel : drogas, modernidade e redução de danos" : análise do processo de regulamentação federal das ações de redução de danos ao uso de drogas

Chaibub, Juliana Rochet Wirth
Fonte: Universidade de Brasília Publicador: Universidade de Brasília
Tipo: Tese
Português
Relevância na Pesquisa
71.627715%
Tese (doutorado)—Universidade de Brasília, Instituto de Ciências Humanas, Departamento de Serviço Social, Programa de Pós-Graduação em Política Social, 2009.; O objetivo deste trabalho é investigar o processo de problematização social das drogas a partir do advento da modernidade, bem como os contextos sócio-histórico, nacional e internacional, dentro dos quais esse processo foi instaurado e desenvolvido. Para tanto, utiliza-se, como unidade de análise, o surgimento da agenda das ações de redução de danos associados ao uso de drogas no Brasil, reconstituindo o processo de formulação da regulamentação dessa estratégia em nível federal (Portaria nº 1028/2005, do Ministério da Saúde), no período compreendido entre 2004 a 2005. O pano de fundo para as análises é o de que o advento da modernidade transformou profundamente a experiência do consumo das drogas na atualidade. Nesse sentido, o debate contemporâneo sobre o tema se situa no lugar de convergência das tensões da condição moderna: de um lado, a afirmação do indivíduo soberano e igual a todos os outros, que modifica seu estado de consciência usando sua liberdade e; de outro, o desenvolvimento de uma sociedade disciplinar e intervencionista. Sustenta-se que é do confronto entre objetividade e subjetividade que se constrói o que se pode denominar a questão das drogas. Se tal questão surge como uma das expressões da tensão inerente à condição moderna...

‣ Políticas sociais sobre drogas: um objeto para Serviço Social brasileiro

Cavalcante, Rita Cássia; Fonseca, Adriana Pereira; Rocha, Andréa Pires; Vale, Juliana Batistuta
Fonte: Programa de Pós-Graduação em Política Social da UFES Publicador: Programa de Pós-Graduação em Política Social da UFES
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; Formato: application/pdf
Publicado em 29/06/2015 Português
Relevância na Pesquisa
172.41064%
Diferentes atores, interesses e idéias estão em discussão no campo político sobre qual é a melhor política de drogas a ser implementada pelo governo brasileiro. Uma combinação desigual de forças se explicita na atualidade em direções antagônicas: de um lado, aumentam-se os efeitos do proibicionismo às drogas e sua conseqüente política criminal associada às configurações da privatização do fundo público; e de outro, cresce a organização política para resistir e lutar para reinventar uma nova sociabilidade não criminalizada com os usos das drogas. A prática, investigação e lutas do Serviço Social brasileiro participam dessa crítica hegemonia da área das drogas.

‣ Relações de trabalho no narcotráfico: exploração, riscos e criminalização

Rocha, Andréa Pires
Fonte: Programa de Pós-Graduação em Política Social da UFES Publicador: Programa de Pós-Graduação em Política Social da UFES
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; Formato: application/pdf
Publicado em 29/06/2015 Português
Relevância na Pesquisa
71.92716%
Entendemos as drogas ilícitas como mercadorias que dependem de processos de trabalho para produção, distribuição e circulação, lucrando com a exploração da força de trabalho humana.  O presente artigo  traz parte da discussão teórica que fundamentou as analises empíricas da tese de doutorado que estudou as trajetórias de adolescentes que são explorados como “mulas” do transporte de drogas proibidas na rota de tráfico proveniente da fronteira Brasil–Paraguai. Mostramos como o proibicionismo agrega valor à droga-mercadoria e permite que as relações estabelecidas no interior do narcotráfico sejam regidas por regras próprias e, muitas vezes, violentas. Problematizamos a exploração da força de trabalho no negócio das drogas, demonstrando como a criminalização dos jovens pobres trabalhadores do narcotráfico é uma das materializações da hipócrita “guerras às drogas”.