Página 1 dos resultados de 907 itens digitais encontrados em 0.034 segundos

‣ O acesso à água na América do Sul e em África, diferenças e semelhanças

Campos, Alexandra; Soares, Adelino M. Silva
Fonte: Edições Universitárias Lusófonas Publicador: Edições Universitárias Lusófonas
Tipo: Artigo de Revista Científica
Português
Relevância na Pesquisa
67.69429%
Faz-se a análise global do recurso água no mundo tendo presente os ganhos e perdas do ciclo hidrológico. A privação ao seu acesso leva a uma crise silenciosa que condena parte considerável da humanidade a vidas de pobreza, vulnerabilidade e insegurança. A Água é imprescindível ao Homem para as suas actividades enquanto ser vivo, mas também ao desenvolvimento económico (processos industriais, irrigação, energia, navegação) e manutenção dos ecossistemas. Há que assegurar que cada indivíduo disponha de acesso fiável à água a um preço aceitável. O desregulado crescimento industrial, a indiscriminada utilização de produtos químicos na agricultura, a falta de tratamentos adequados das águas residuais, são factores destabilizadores do ciclo hidrológico. Por outro lado, a falta ou a existência de inadequadas infraestruturas conduzem a uma gestão perniciosa dos recursos hídricos, quer em termos quantitativos como qualitativos. Analisam-se ainda os fortes contrastes no domínio hídrico, quer em África, quer na América do Sul, que vêm provocando dificuldades ao desenvolvimento social e económico dos povos, originando em alguns casos conflitualidades locais e mesmo entre os Países. Como conclusão, apontam-se alguns dos problemas mais prementes que se verificam nas duas zonas em análise...

‣ Evolução do acesso à água fluoretada no Estado de São Paulo, Brasil: dos anos 1950 à primeira década do século XXI; Evolution in access to fluoridated water in São Paulo State, Brazil, from the 1950s to the early 21st century

Alves, Renata Ximenez; Fernandes, Grasiele Fretta; Razzolini, Maria Tereza Pepe; Frazão, Paulo; Marques, Regina Auxiliadora de Amorim; Narvai, Paulo Capel
Fonte: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz Publicador: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz
Tipo: Artigo de Revista Científica
Português
Relevância na Pesquisa
77.65224%
Ter acesso à água fluoretada é um reconhecido fator de proteção contra a cárie dentária. No Brasil, a fluoretação da água de abastecimento público tornou-se obrigatória por lei em 1974, seguindo-se a esta regulamentação acentuada expansão da cobertura, sobretudo nas regiões de maior desenvolvimento socioeconômico. A ampliação dessa cobertura em todo o país é uma das prioridades da política nacional de saúde bucal. Neste artigo, sistematizam-se informações sobre a implantação e expansão da fluoretação no Estado de São Paulo, no período de 1956 a 2009, utilizando-se dados secundários obtidos em relatórios técnicos, documentos oficiais e no sistema SISAGUA. Em 2009, a cobertura se estendia por 546 (84,7%) dos 645 municípios paulistas, chegando a 85,1% da população total e a 93,5% da população com acesso à rede de distribuição de água. Tais resultados indicam que a medida está consolidada como parte da política estadual de saúde. No entanto, persiste o desafio de implantar e manter a fluoretação em 99 municípios, beneficiando cerca de 6,2 milhões de habitantes excluídos do benefício.

‣ Acesso à água para consumo humano e aspectos de saúde pública na Amazônia Legal

Giatti, Leandro Luiz; Cutolo, Silvana Audrá
Fonte: ANPPAS - Revista Ambiente e Sociedade Publicador: ANPPAS - Revista Ambiente e Sociedade
Tipo: Artigo de Revista Científica
Português
Relevância na Pesquisa
97.80619%
A região da Amazônia Legal no Brasil apresenta desafios quanto ao acesso à água para sua população, mesmo com grande abundância de recursos hídricos. Este estudo tem como objetivo explorar condicionantes de acesso à água para consumo humano, considerando aspectos ambientais, socioculturais e de infraestrutura. Para isso, analisam-se: a precária cobertura por saneamento básico na região, por meio de macroindicadores; e estudos de caso em distintas escalas espaciais: comunidade indígena; cidade de pequeno porte, comunidades ribeirinhas, e uma cidade de grande porte, Manaus, maior centro urbano da Amazônia Pan-Amazônica. Por fim, empreende-se uma discussão interdisciplinar sobre as dificuldades de acesso a água no âmbito da saúde pública, explorando a importância de aspectos que se manifestam de modo evidente nas escalas espaciais.

‣ O acesso à água e o desenvolvimento em África

Branco, Manuel Couret; Henriques, Pedro Damião; Carvalho, Maria Leonor da Silva
Fonte: Universidade de Évora / Comissão Executiva do 2.º Encontro Luso-Angolano em Economia, Sociologia, Ambiente e Desenvolvimento Rural / Universidade Metodista de Angola Publicador: Universidade de Évora / Comissão Executiva do 2.º Encontro Luso-Angolano em Economia, Sociologia, Ambiente e Desenvolvimento Rural / Universidade Metodista de Angola
Tipo: Artigo de Revista Científica
Português
Relevância na Pesquisa
97.96437%
Se se quiser melhorar o nível de vida das populações em África, a oferta de água é um dos serviços que deve ser fornecido nas próximas décadas. Tendo em conta o papel que a recolha e distribuição de água tem no desenvolvimento, o primeiro aspecto a ser tratado neste artigo diz respeito ao processo pelo qual a água tem vindo a ser transformada em mercadoria. Desta mercantilização da água resulta não só que o seu consumo pode ser desigualmente distribuído entre as pessoas mas também a possibilidade de alguns seres humanos se- rem excluídos do acesso à água. Como consequência deste facto, a Organização Mundial de Saúde acredita que mais do que mil milhões de pessoas são pri- vadas do acesso básico à água. Estima ainda que cerca de 2,3 mil milhões de pessoas sofrem de doenças relacionadas com a água, tanto no que respeita à sua escassez como à sua pobre qualidade. Este será o segundo aspecto a ser examinado como um bom exemplo de restrição ao desenvolvimento. Na verdade, o Relatório do Desenvolvimento Humano de 2006 a+rma que os custos directos e indirectos de manutenção do de cit corrente de provisão de água potável em países em vias de desenvolvimento representam nove vezes o custo de fornecer uma cobertura universal...

‣ Evolução do acesso à água fluoretada no Estado de São Paulo, Brasil: dos anos 1950 à primeira década do século XXI

Alves,Renata Ximenez; Fernandes,Grasiele Fretta; Razzolini,Maria Tereza Pepe; Frazão,Paulo; Marques,Regina Auxiliadora de Amorim; Narvai,Paulo Capel
Fonte: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz Publicador: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2012 Português
Relevância na Pesquisa
77.65224%
Ter acesso à água fluoretada é um reconhecido fator de proteção contra a cárie dentária. No Brasil, a fluoretação da água de abastecimento público tornou-se obrigatória por lei em 1974, seguindo-se a esta regulamentação acentuada expansão da cobertura, sobretudo nas regiões de maior desenvolvimento socioeconômico. A ampliação dessa cobertura em todo o país é uma das prioridades da política nacional de saúde bucal. Neste artigo, sistematizam-se informações sobre a implantação e expansão da fluoretação no Estado de São Paulo, no período de 1956 a 2009, utilizando-se dados secundários obtidos em relatórios técnicos, documentos oficiais e no sistema SISAGUA. Em 2009, a cobertura se estendia por 546 (84,7%) dos 645 municípios paulistas, chegando a 85,1% da população total e a 93,5% da população com acesso à rede de distribuição de água. Tais resultados indicam que a medida está consolidada como parte da política estadual de saúde. No entanto, persiste o desafio de implantar e manter a fluoretação em 99 municípios, beneficiando cerca de 6,2 milhões de habitantes excluídos do benefício.

‣ Impactos na saúde das deficiências de acesso a água

Razzolini,Maria Tereza Pepe; Günther,Wanda Maria Risso
Fonte: Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo.; Associação Paulista de Saúde Pública. Publicador: Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo.; Associação Paulista de Saúde Pública.
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/03/2008 Português
Relevância na Pesquisa
97.98309%
O acesso regular à água potável e segura tem causado preocupação, principalmente em países em desenvolvimento e, mais enfaticamente em áreas periurbanas, que abrigam a população socialmente excluída. O objetivo deste trabalho é abordar questões de acesso à água em regiões periurbanas e para tanto foi realizado levantamento bibliográfico nas bases de dados Pubmed, Medline e SciELO assim como relatórios da OMS, OPAS, IBGE e Ministério das Cidades. A falta ou a precariedade do acesso à água representa situação de risco que propicia aumento da incidência de doenças infecciosas agudas e da prevalência de doenças crônicas. O estabelecimento do grau de acesso à água de qualidade considera fatores como distância e tempo percorrido até a fonte de água, volume coletado, demanda atendida e nível de prioridade de ações de intervenção. Na qualidade da água, consideram-se como fatores de impacto o manuseio - maneira como ocorre a coleta, o transporte, o armazenamento e o uso -, a presença de patógenos nas fontes e as práticas rotineiras da população. A determinação da presença de patógenos nas fontes evidencia o risco à saúde e a identificação do agente etiológico indica a origem da contaminação. O caminho para reverter esse cenário é a implementação integrada de políticas públicas de gestão...

‣ O contexto global e nacional frente aos desafios do acesso adequado à água para consumo humano

Augusto,Lia Giraldo da Silva; Gurgel,Idê Gomes Dantas; Câmara Neto,Henrique Fernandes; Melo,Carlos Henrique de; Costa,André Monteiro
Fonte: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva Publicador: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2012 Português
Relevância na Pesquisa
68.030244%
Este artigo tem como objetivo analisar os desafios do acesso à água para consumo humano, considerando-se o contexto internacional e nacional. A partir da deliberação da ONU de que o acesso à água limpa e segura é um direito fundamental de todo ser humano são identificadas vulnerabilidades que podem se constituir em restrições ao acesso. A distribuição da água e das populações no planeta, a poluição, as políticas e gestões inadequadas produzem injustiça ambiental. A iniquidade de acesso a água constitui-se na crise contemporânea da água. A partir da década de 1980, emerge o mercado transnacional de água pelo controle privado que ocorre em três níveis principais: de mananciais superficiais e subterrâneos; de água engarrafada; e dos serviços públicos de abastecimento. Os conflitos dos usos múltiplos dos recursos hídricos, do mercado e dos problemas ambientais têm contribuído para a vulnerabilização da saúde das populações e dos ecossistemas. São necessárias políticas públicas adequadas ao exercício do direito humano fundamental de acesso a água com qualidade.

‣ Acesso à água para consumo humano e aspectos de saúde pública na Amazônia Legal

Giatti,Leandro Luiz; Cutolo,Silvana Audrá
Fonte: ANPPAS - Revista Ambiente e Sociedade Publicador: ANPPAS - Revista Ambiente e Sociedade
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/04/2012 Português
Relevância na Pesquisa
97.80619%
A região da Amazônia Legal no Brasil apresenta desafios quanto ao acesso à água para sua população, mesmo com grande abundância de recursos hídricos. Este estudo tem como objetivo explorar condicionantes de acesso à água para consumo humano, considerando aspectos ambientais, socioculturais e de infraestrutura. Para isso, analisam-se: a precária cobertura por saneamento básico na região, por meio de macroindicadores; e estudos de caso em distintas escalas espaciais: comunidade indígena; cidade de pequeno porte, comunidades ribeirinhas, e uma cidade de grande porte, Manaus, maior centro urbano da Amazônia Pan-Amazônica. Por fim, empreende-se uma discussão interdisciplinar sobre as dificuldades de acesso a água no âmbito da saúde pública, explorando a importância de aspectos que se manifestam de modo evidente nas escalas espaciais.

‣ O acesso à água como direito das populações do semiárido : práticas e discursos da Articulação no Semiárido (ASA)

Maria Batista Silveira, Sandra; de Lourdes Meira Cordeiro, Rosineide (Orientador)
Fonte: Universidade Federal de Pernambuco Publicador: Universidade Federal de Pernambuco
Tipo: Outros
Português
Relevância na Pesquisa
77.98268%
Neste estudo analisamos o acesso à água como direito das populações do semiárido brasileiro, a partir das práticas e discursos da Articulação no Semiárido (ASA), rede de movimentos sociais que reúne cerca de 800 organizações, e tem por objetivo propor e implementar ações e estratégias de convivência com a semi-aridez. A atuação desta Rede tem contribuído com a efetivação do direito à água para as populações rurais por meio de dois programas principais: o Programa 1 Milhão de Cisternas Rurais (P1MC) e o Programa Uma Terra e Duas Águas (P1+2). Nosso objetivo neste trabalho foi compreender como a água tornou-se campo de acesso a direitos e políticas públicas, a partir do debate recente de convivência com o semiárido. Os procedimentos metodológicos da pesquisa incluíram os documentos de domínio público produzidos pela Rede e a realização de entrevistas semi-estruturadas com integrantes da ASA. Finalmente, concluímos que, por meio da execução dos programas de convivência com o semiárido da ASA, muitas famílias rurais da região tem usufruído o direito ao acesso à água de qualidade para consumo e para produção, o que tem favorecido a quebra da dependência política desta população por meio de processos participativos e de construção da cidadania popular. Entretanto...

‣ Democratização do acesso a água no semi-árido: o caso da comunidade rural de Pendências dos Emídios no município de Serrinha/RN

Pimentel, Remo Rene
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Norte; BR; UFRN; Programa Regional de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente PRODEMA; Meio Ambiente, Cultura e Desenvolvimento Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Norte; BR; UFRN; Programa Regional de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente PRODEMA; Meio Ambiente, Cultura e Desenvolvimento
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
Português
Relevância na Pesquisa
77.826313%
Brazil lives a time of experimentation and maturity as it pertains to managing the use of water, which comes institutionalising increasingly social participation. In Rio Grande do Norte, since 1997, the government has been developing actions accordingly, through the State Department of Water Resources, which has implemented a programme of adutoras within the State and created Water Users Associations, in the installation of dessalinizadores for places where the Adutora was not necessary or not yet arrived, so that should be managed by communities through associations of users. Since 2003, Civil Society Organisations - CSOs come through ASA - Articulation in the Semi-arid Brazilian, implementing the P1MC - Program of Training and Mobilization for Social Living with the Semi-Arid (One Million Rural Cisternas), in its third year of implementation in Rio Grande do Norte, in the spirit of working together with the semi arid. In the municipality of Serrinha / RN which incorporates the Semi-arid region, we find in the rural community of Pendêcias dos Emídios the experience of the State and Civil Society, which referred to a discussion about the environmental sustainability of these initiatives. The general objective of this work is to examine the strategies for participatory management in the use and access to water in the community of Pendêcias dos Emídios of the municipality of Serrinha / RN...

‣ A governação da água em Angola - Riscos e oportunidades

Pereira, A.
Fonte: Repositório Comum de Portugal Publicador: Repositório Comum de Portugal
Tipo: Trabalho em Andamento Formato: application/pdf
Publicado em /01/2010 Português
Relevância na Pesquisa
67.61877%
Governação da água em Angola: riscos e oportunidades resulta de uma pesquisa que procurou, em grande parte, descortinar o papel do sistema institucional no planeamento e na gestão dos recursos hídricos. Elegeu-se como principal objectivo conhecer as orientações técnico-políticas preconizadas para a gestão dos recursos hídricos e identificar os problemas mais prementes de acesso à água, enfrentados pela generalidade da população. O problema da água em Angola não pode, contudo, desligar-se do contexto regional - a África Austral - com tradução institucional e territorial na Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral (SADC). A proposta teórico-metodológica subjacente à referida pesquisa contemplou uma breve discussão sobre a apropriação dos recursos naturais renováveis, a par de dimensões de análise associadas à governação da água, em contextos culturais e políticos como os de Angola. A empiria da pesquisa assentou na análise de diversas fontes documentais e na recolha directa de informação, tendo em conta a necessidade de: contextualizar a hidro-geografia de Angola na África Austral; discutir a integração regional no âmbito da SADC e o seu impacto na gestão dos recursos hídricos; conhecer as dificuldades de acesso à água e os desafios lançados ao sistema institucional; e...

‣ O acesso à água e ao saneamento nos países em desenvolvimento : a União Europeia, as ONGDs e o caso de Bafatá na Guiné-Bissau

Gentili, Davide
Fonte: ISEG - CEsA Publicador: ISEG - CEsA
Tipo: Trabalho em Andamento
Publicado em //2015 Português
Relevância na Pesquisa
67.94033%
Este documento nasce da readaptação da tese de mestrado “O acesso à água e ao saneamento nos países em desenvolvimento: a União Europeia, as ONGDs e o caso de Bafatá na Guiné Bissau” realizada no decorrer de 2014 e defendida em Novembro do mesmo ano. O trabalho enquadra-se no tema da cooperação internacional com os Países em Desenvolvimento (PD) no sector da água, do saneamento e da higiene (WASH)3 e tem o propósito de investigar de que forma as boas práticas, acordadas pelos doadores internacionais, para o acesso à água e ao saneamento, influenciam o trabalho das ONGDs que atuam neste sector. Assim, procurou-se analisar como é que a União Europeia (UE), o mais importante doador no sector WASH a nível internacional, tem influenciado o trabalho no sector WASH da ONGD portuguesa – TESE – Associação Para o Desenvolvimento. Procurou-se observar de que forma a TESE interpreta as orientações da UE no sector WASH, tentando compreender se se verifica uma cega adaptação às linhas orientadoras de forma a captar os fundos, ou se ao contrário existe uma visão que orienta as ações da TESE independentemente da disponibilidade dos financiamentos. A UE, na primeira década de 2000, tem fortalecido o seu empenho no sector WASH...

‣ Impactos na saúde das deficiências de acesso a água; Health impacts due to deficient water access

RAZZOLINI, Maria Tereza Pepe; GÜNTHER, Wanda Maria Risso
Fonte: Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo.Associação Paulista de Saúde Pública. Publicador: Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo.Associação Paulista de Saúde Pública.
Tipo: Artigo de Revista Científica
Português
Relevância na Pesquisa
97.98409%
O acesso regular à água potável e segura tem causado preocupação, principalmente em países em desenvolvimento e, mais enfaticamente em áreas periurbanas, que abrigam a população socialmente excluída. O objetivo deste trabalho é abordar questões de acesso à água em regiões periurbanas e para tanto foi realizado levantamento bibliográfico nas bases de dados Pubmed, Medline e SciELO assim como relatórios da OMS, OPAS, IBGE e Ministério das Cidades. A falta ou a precariedade do acesso à água representa situação de risco que propicia aumento da incidência de doenças infecciosas agudas e da prevalência de doenças crônicas. O estabelecimento do grau de acesso à água de qualidade considera fatores como distância e tempo percorrido até a fonte de água, volume coletado, demanda atendida e nível de prioridade de ações de intervenção. Na qualidade da água, consideram-se como fatores de impacto o manuseio - maneira como ocorre a coleta, o transporte, o armazenamento e o uso -, a presença de patógenos nas fontes e as práticas rotineiras da população. A determinação da presença de patógenos nas fontes evidencia o risco à saúde e a identificação do agente etiológico indica a origem da contaminação. O caminho para reverter esse cenário é a implementação integrada de políticas públicas de gestão...

‣ Gestão das águas: experiências internacional e brasileira; Texto para Discussão (TD) 1744: Gestão das águas: experiências internacional e brasileira

Castro, César Nunes de
Fonte: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) Publicador: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea)
Tipo: Texto para Discussão (TD)
Português
Relevância na Pesquisa
67.526514%
Muitos conflitos ocorrem atualmente ao redor do mundo em função de disputas pela utilização da água. Em muitas importantes bacias hidrográficas, a água é cada vez mais escassa. No Brasil, algumas regiões enfrentam problemas de deficiência hídrica, como o semiárido nordestino e algumas regiões metropolitanas (RMs). O objetivo geral deste trabalho foi avaliar o sistema de gestão das águas no Brasil. A gestão dos recursos hídricos iniciou uma nova fase com a aprovação da Lei no 9.433/1997, que trata da Política Nacional de Recursos Hídricos. Certamente, algumas das inovações introduzidas por este novo arranjo jurídico-institucional promoveram melhorias na gestão da água no Brasil e, consequentemente, em seu uso mais sustentável. Entretanto, ainda existem aspectos a serem aprimorados; entre estes, promoção de equidade no acesso à água, melhorias no sistema de gestão, aumento da eficiência na utilização da água e maior aproveitamento de fontes alternativas de recursos hídricos.; 80 p. : il.

‣ Ações do governo federal na área de influência do Projeto de Integração do Rio São Francisco com bacias hidrográficas do nordeste setentrional: uma avaliação dos investimentos nos municípios do plano de ação; Texto para Discussão (TD) 1965: Ações do governo federal na área de influência do Projeto de Integração do Rio São Francisco com bacias hidrográficas do nordeste setentrional: uma avaliação dos investimentos nos municípios do plano de ação; Federal government actions in the influence area of the Integration of the São Francisco River with Basins of Northern Northeastern Project: an investments assessment in the municipalities of the Action Plan

Viana, João Paulo
Fonte: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) Publicador: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea)
Tipo: Texto para Discussão (TD)
Português
Relevância na Pesquisa
67.34388%
Este documento apresenta uma avaliação dos investimentos federais nos municípios do Plano de Ação do Rio São Francisco (PASF), que abarca os 789 municípios (e oito estados) da área de influencia do Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional – mais conhecido como Transposição do rio São Francisco – e da área do projeto de revitalização do São Francisco. Os investimentos realizados ate 2008 e planejados para os anos 2009 e 2010 pelas catorze entidades que responderam a uma consulta do Ministério da Integração Nacional sobre os investimentos na área do PASF totalizaram R$ 32,3 bilhões para os três períodos considerados. Pernambuco, Bahia e Minas Gerais foram os maiores beneficiários, com montantes estimados em R$ 7,2, R$ 6,9 e R$ 5,3 bilhões, respectivamente, ou 60% do valor total. Os investimentos realizados ate 2008 corresponderam a 54% do total informado (R$ 17,5 bilhões). Considerando um recorte temático, os investimentos em ações sociais, de apoio a produção, e de acesso a agua totalizaram respectivamente R$ 17,2 bilhões, R$ 9,6 bilhões e R$ 2,4 bilhões, com destaque para investimentos em transferência de renda, credito para a agricultura familiar e para a construção de sistemas de abastecimento e armazenamento de agua. Seguem...

‣ Acesso à água tratada e insuficiência de renda. Duas dimensões do problema da pobreza no Nordeste brasileiro sob a óptica dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio

Reymão, Ana Elizabeth; Abe Saber, Bruno
Fonte: Universidade Autônoma de Barcelona Publicador: Universidade Autônoma de Barcelona
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: application/pdf
Publicado em //2009 Português
Relevância na Pesquisa
77.854062%
A qualidade, disponibilidade e acessibilidade da população à água são essenciais ao desenvolvimento. Garanti-las deve ser uma das preocupações das políticas de combate à pobreza e melhoria da qualidade de vida das pessoas. Analisando dados sobre os indicadores referentes às metas 1 e 10 dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, o estudo objetivou dimensionar um dos aspectos da incidência da pobreza atribuída a causas ambientais –pobreza ecológica–, buscando articular as dimensões ecológica e social do desenvolvimento sustentável. Para tanto, estabeleceu-se a magnitude da relação entre renda e acesso à água tratada na região Nordeste do Brasil. Os modelos estimados e a análise de dados revelaram faces importantes dos determinantes do acesso à água no país e na região. Por um lado, o papel da renda enquanto variável explicativa desse acesso é inferior ao da educação e situação domiciliar. Os β e as razões de chances estimadas para 1992 e 2005 no país e na região Nordeste revelam um enorme peso para o efeito urbanização. Por outro lado, viu-se que o reduzido acesso à água não pode ser necessariamente creditado à escassez, mas aos elevados índices de perda dos sistemas de distribuição...

‣ (IN)SEGURIDAD DEL AGUA Y EL RETO DE PRODUCIR SIN ACCESO A AGUA EN ASENTAMIENTOS DE REFORMA AGRARIA DEL CONDADO DE UBERLÂNDIA-MG; (IN)SEGURANÇA HÍDRICA E O DESAFIO DE PRODUZIR SEM ACESSO À ÁGUA EM ASSENTAMENTOS DE REFORMA AGRÁRIA DO MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA-MG; HYDRIC (IN)SECURITY AND THE CHALLENGE OF PRODUCING WITHOUT ACCESS TO WATER IN SETTLEMENTS OF AGRARIAN REFORM UBERLÂNDIA-MG

Garcia, Jéssica Cristina; Cleps Júnior, João
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 18/09/2015 Português
Relevância na Pesquisa
77.63609%
En la actualidad, la cuestión de la agua está ganando importancia, no sólo en los medios de comunicación, sino también en lo que respecta a la regulación de las políticas públicas. Está claro que los debates sobre la sostenibilidad del medio ambiente son de suma importancia, sobre todo si se tiene en cuenta la producción agrícola y la calidad de vida de los agricultores y de la población que consume lo que se produce en el campo. Sin embargo, las políticas públicas dirigidas al campo común priorizar los agronegocios a costa de la agricultura campesina, que mantiene en la actualidad a través de los movimientos sociales que luchan por la tierra y su estancia en el mismo. Con los documentos que regulan y legitiman la explotación de la naturaleza en las zonas delimitadas por el Estado (asentamientos rurales), los agricultores a menudo no logran extraer la tierra necesaria para mantenerse a sí mismos como el aspecto ambiental termina siendo priorizado a expensas de la producción agrícola colonos. Por lo tanto, es importante prestar atención al Plan de Desarrollo de Asentamiento (PDA), porque es donde están las alternativas para la consolidación de un proyecto de asentamiento de reforma agraria, así como la cuestión del uso y el acceso al agua...

‣ Impactos na saúde das deficiências de acesso a água; Health impacts due to deficient water access

Razzolini, Maria Tereza Pepe; Günther, Wanda Maria Risso
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; Formato: application/pdf
Publicado em 01/03/2008 Português
Relevância na Pesquisa
97.98409%
Regular water access has caused concern, mainly in developing countries and especially in periurban areas, where socially excluded people live. The aim of this work is to approach water access issues in periurban regions. A bibliographical survey was carried out in the Pubmed, Medline and SciELO databases, as well as in reports from WHO, PAHO, IBGE and Brazilian Ministries. A non-existent or precarious water access represents a risk situation that increases the incidence of infectious diseases and the prevalence of chronic diseases that affect susceptible groups. The criteria to establish water access level consider distance and time to reach water sources, collected volume, water demand and the priority level of intervention actions. Factors such as handling - the way in which collection, transport, storage and use are carried out -, pathogens determination in water sources and the population's routine practices can interfere in the sanitary quality of water. Pathogens determination in water sources is important to highlight health risks, and the etiologic agent identification can indicate contamination origin. Daily activity can contribute to disseminate pathogenic microorganisms among people and to spread infectious diseases. The way to change this scenario is to implement integrated public policies in the sectors of urban development...

‣ O contexto global e nacional frente aos desafios do acesso adequado à água para consumo humano

Augusto,Lia Giraldo da Silva; Gurgel,Idê Gomes Dantas; Câmara Neto,Henrique Fernandes; Melo,Carlos Henrique de; Costa,André Monteiro
Fonte: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva Publicador: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2012 Português
Relevância na Pesquisa
68.030244%
Este artigo tem como objetivo analisar os desafios do acesso à água para consumo humano, considerando-se o contexto internacional e nacional. A partir da deliberação da ONU de que o acesso à água limpa e segura é um direito fundamental de todo ser humano são identificadas vulnerabilidades que podem se constituir em restrições ao acesso. A distribuição da água e das populações no planeta, a poluição, as políticas e gestões inadequadas produzem injustiça ambiental. A iniquidade de acesso a água constitui-se na crise contemporânea da água. A partir da década de 1980, emerge o mercado transnacional de água pelo controle privado que ocorre em três níveis principais: de mananciais superficiais e subterrâneos; de água engarrafada; e dos serviços públicos de abastecimento. Os conflitos dos usos múltiplos dos recursos hídricos, do mercado e dos problemas ambientais têm contribuído para a vulnerabilização da saúde das populações e dos ecossistemas. São necessárias políticas públicas adequadas ao exercício do direito humano fundamental de acesso a água com qualidade.

‣ Evolução do acesso à água fluoretada no Estado de São Paulo, Brasil: dos anos 1950 à primeira década do século XXI

Alves,Renata Ximenez; Fernandes,Grasiele Fretta; Razzolini,Maria Tereza Pepe; Frazão,Paulo; Marques,Regina Auxiliadora de Amorim; Narvai,Paulo Capel
Fonte: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz Publicador: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2012 Português
Relevância na Pesquisa
77.65224%
Ter acesso à água fluoretada é um reconhecido fator de proteção contra a cárie dentária. No Brasil, a fluoretação da água de abastecimento público tornou-se obrigatória por lei em 1974, seguindo-se a esta regulamentação acentuada expansão da cobertura, sobretudo nas regiões de maior desenvolvimento socioeconômico. A ampliação dessa cobertura em todo o país é uma das prioridades da política nacional de saúde bucal. Neste artigo, sistematizam-se informações sobre a implantação e expansão da fluoretação no Estado de São Paulo, no período de 1956 a 2009, utilizando-se dados secundários obtidos em relatórios técnicos, documentos oficiais e no sistema SISAGUA. Em 2009, a cobertura se estendia por 546 (84,7%) dos 645 municípios paulistas, chegando a 85,1% da população total e a 93,5% da população com acesso à rede de distribuição de água. Tais resultados indicam que a medida está consolidada como parte da política estadual de saúde. No entanto, persiste o desafio de implantar e manter a fluoretação em 99 municípios, beneficiando cerca de 6,2 milhões de habitantes excluídos do benefício.